Vídeo: Músico é agredido por segurança do metrô e passageiros se revoltam

Funcionário deu socos no rosto da vítima, que tocava flauta transversa na estação Botafogo, no último dia 14

Rio – A viagem para alegrar passageiros do metrô e ganhar alguns trocados teve desfecho violento para um músico no Rio. Carlos Adriano Oliveira, de 27 anos, que tocava flauta transversa de bambu, foi agredido por um segurança do metrô, dentro da estação de Botafogo, na Zona Sul, no último dia 14.

Vídeo mostra Carlos Adriano ferido, sendo amparado por outro segurança. Passageiros hostilizaram agressor. Foto:  Reprodução Vídeo
Vídeo mostra Carlos Adriano ferido, sendo amparado por outro segurança. Passageiros hostilizaram agressor.
Foto: Reprodução Vídeo

O rapaz conta que levou socos no rosto e foi arrastado pelos pés na estação. “Fui espancado e, por pouco, não caí nos trilhos. O segurança estava transtornado. Antes da agressão, me chamou de mendigo e palhaço”, disse o músico, que também é ator.

A atitude do agressor gerou revolta entre passageiros e, por pouco, ele não foi linchado. O segurança foi identificado como Felipe, que seria campeão estadual de judô. Carlos estava na Linha 2 e seguia para a Estação General Osório (Ipanema). O caso foi registrado na 10ª DP (Botafogo) como lesão corporal e injúria. Testemunhas foram ouvidas e o caso, encaminhado ao Juizado Especial Criminal.

Vídeo que circula nas redes sociais mostra o músico com ferimentos no rosto e passageiros discutindo com funcionários do metrô. O clima fica tenso após uma longa discussão. Alguns hostilizam seguranças: “Covarde! Deu um porradão (sic) na cara do cara”, gritou, indignado, um rapaz dentro da estação lotada. Já uma mulher reclama na escada rolante: “Que absurdo!”.

Vídeo: Artista é agredido por segurança do Metrô em Botafogo 

O também músico Igor Teilelroit, 32, disse que amigos de Carlos Adriano — que em suas páginas do Facebook compartilham o vídeo com as imagens da confusão — prometem fazer uma manifestação na próxima semana, dentro da estação. “Faremos um cortejo musical para deixar claro que não podemos ser tratados como vagabundos”.

O MetrôRio informou que o funcionário foi identificado e ‘desligado’ da empresa. A concessionária esclareceu ainda que “não são admitidos desvios de comportamento e que seus funcionários são treinados para prestar um bom atendimento aos usuários”. Ainda segundo a empresa, músicos que se apresentam dentro de estações e vagões “são convidados a se retirar do sistema sempre que algum usuário reclame” e que “esse procedimento está respaldado legalmente”.

Igor (de azul) organiza ato de apoio ao músico Carlos, ferido no metrô Foto: Divulgação
Igor (de azul) organiza ato de apoio ao músico Carlos, ferido no metrô Foto: Divulgação

Registro na delegacia e processo

O dia a dia de quem ganha a vida no metrô não tem sido fácil para músicos que se apresentam em estações e vagões. Segundo eles, as abordagens às vezes são agressivas. A prática é regulamentada em países como Argentina e Inglaterra, mas é proibida no Brasil.

“Ameaçam a gente, nos intimidam. Os seguranças agem com truculência. Nos chamam de vagabundo. O dinheiro arrecadado na apresentação é dividido entre os músicos”, lembrou Igor Teilelroit, que trabalha no metrô há três anos e coleciona problemas com seguranças.

“Já levei duas gravatas em Botafogo, uma na General Osório e um chute nas costas em Triagem, em dezembro do ano passado. Fiz um registro na delegacia e entrei com um processo contra o MetrôRio”, contou o músico, indignado.

O DIA

Comentários

comentários