Vídeo: Familiares de detentos se desesperam após tentativa de fuga frustada

Após a notícia da tentativa de fuga frustada no Presídio de Segurança Máxima de Campo Grande, por volta das 9 horas desta sexta-feira (8), familiares dos detentos foram até a porta do da Máxima para exigir informações sobre a situação no local. Eles questionaram os policiais que fazem o isolamento da área e queriam informações sobre os parentes presos.

A preocupação dos familiares era quanto os feridos a tiros. Já que as informações iniciais davam conta que pelo menos dois presos teriam sido mortos, o que foi desmentido mais tarde.Também existia o medo de um possível confronto entre presos e policiais.

A confusão começou durante o banho de sol, quando um preso tentou fugir. O interno teria saltado um alambrado e caído dentro de um área restrita dentro da penitenciária. Neste momento, os policiais responsáveis pela guarda e escolta na muralha no estabelecimento passaram a atirar contra o presidiário.

O interno conseguiu retornar à quadra e se uniu ao restante dos detentos, momento que quatro outros presidiários acabaram feridos. Wesley Henrique dos Santos, de 27 anos, Renato Nunes Gonçalves, de 25 anos, e Itamar dos Santos Pinto, de 24 anos, foram atingidos no pulso, na cabeça, na perna e outro no abdômen.

A mãe de um dos feridos chegou no presidio batendo na porta querendo saber informações sobre seu ente, bastante alterada devido ao estresse emocional.

Outros familiares que não quiseram se identificar aproveitaram a presença da imprensa no local para denunciar, segundo elas, algumas irregularidades que acontecem no presidio.

Entre varias reclamações as famílias alegam que são tratadas mal durante a visita, que diversos alimentos voltam por não serem autorizados a entrar na unidade penal, e também que presos com problemas de saúde não estão recebendo os remédios que auxiliam em seu tratamento

Paulo Francis com Jackson Nogueira 

Comentários

comentários