Vereadores negam, mas já se ariculam para assumir presidência caso Mário César renuncie

A sessão Câmara Municipal nesta quinta-feira foi marcada por rumores nos bastidores. O maior deles sobre o possível pedido de renúncia do presidente afastado da Casa, Mário César (PMDB), que seria apresentado hoje, informação negada pelo vereador Flávio César (PTdoB), que está na presidência interinamente.

São rumores, e de concreto não existe nada, diz Flávio Cészar
São rumores, e de concreto não existe nada, diz Flávio Cészar foto Silvio Ferreira

Contudo as conversas, que já são intensas, devem ser mais quentes nesta escolha de presidente, visto que o cargo pode dar a Prefeitura, pelo menos interinamente, ao eleito. As negociações já estão em pleno vapor para uma possível disputa para a nova presidência da Casa.

Dois candidatos estariam na frente para conseguir apoio e votos, o próprio presidente em exercício Flávio César e o vereador João Rocha (PSDB), atual presidente da Comissão Permanente de Educação e Desporto, da recém-criada Comissão Permanente de Ética e Decoro Parlamentar e da Comissão Processante para analisar o cassação do prefeito afastado Gilmar Olarte (PP).

“São rumores, e de concreto não existe nada. O presidente afastado, Mario Cesar não tem até o momento nenhuma ação efetiva de entregar a presidência em exercício. Sobre pedido de renúncia, e essa prerrogativa cabe a ele somente, pelo que me consta, são apenas especulações. Nosso objetivo é cumprir o papel da presidência conduzindo todos os trabalhos da casa da melhor maneira possível”, afirmou Flávio.

O vereador João Rocha disse que a decisão de renúncia do presidente Mário César é de cunho pessoal e ninguém pode interferir nisso. “O presidente foi eleito e está sendo investigado, mas não há nada de concreto contra ele. Por isso, prefiro não opinar sobre isso”, comentou.

No entanto, sobre seu nome estar sendo citado nos bastidores para assumir a presidência, João Rocha disse que o melhor para a Casa, para fortalecer a Câmara, seria o consenso em vez de disputa. “Penso que os vereadores deveriam se reunir numa sala e escolher um nome, até porque o presidente Mário César está posto”, opinou.

Mario Cesar ainda não renunciou ao cargo, mas já confidenciou a outros vereadores que deve protocolar o pedido. A renúncia pode ser uma estratégia da defesa dele para voltar ao cargo.

Caso chegue à Mesa Diretora a carta de renúncia do presidente afastado, a eleição na Casa deve acontecer na sessão seguinte.

Silvio Ferreira com Jackson Nogueira

Comentários

comentários