Vereador preso vai para presídio após conclusão do inquérito

Vereador do PTB foi preso suspeito de compra de votos nas eleições de 2016. (Foto: reprodução)

Após a conclusão do inquérito, o que deve levar dez dias, o vereador Eurípedes Zaurízio de Jesus, (PTB), de 44 anos, preso a manhã desta terça-feira (24), deve seguir para o presídio de Corumbá.  Eurípedes é acusado de corrupção eleitoral omo compra de votos e, até agiotagem usando da vulnerabilidade de famílias que possuem cartão de programas assistenciais do governo federal.

De acordo com as informações, os crimes investigados são corrupção eleitoral ativa, falsidade ideológica eleitoral (“caixa dois”, usura pecuniária (“agiotagem”) e retenção de documentos de identificação. Somadas, as penas variam de dois a 11 anos de prisão.

O delegado Ricardo Rodrigues Gonçalves que comanda a Operação denominada “Anatocismo”, concedeu entrevista coletiva nesta manhã e explicou que não se trata de condução coercitiva para dar explicações sobre as fraudes, mas de um mandado de prisão expedido pelo juiz eleitoral, baseado nas provas colhidas pela Polícia Federal, que ouviu muitas testemunhas envolvidas no caso. Além de Eurípedes também foi preso o comparsa do vereador, “ conversamos com eleitores desempregados do candidato que não souberam nem explicar de que forma trabalhavam para o Eurípedes sem remuneração, e também existem mensagens nos celulares de pessoas pedindo os documentos que ele segurava para dar entrada no INSS. A retenção destes documentos foi confirmada pelas pessoas ouvidas, o que implicou numa limitação dos direitos fundamentais dos tomadores de empréstimos” .

 

O vereador que foi o mais votado nas eleições de 2016, está sob custódio na federal onde será ouvido e encaminhado ao presídio. Ele será indiciado por corrupção eleitoral ativa e falsidade ideológica eleitoral.  “Ele realizava empréstimos com juros de 30% ao mês e retinha o cartão social dos beneficiários” .
O delegado explicou que as ações movidas nas eleições em Corumbá são de natureza civil e a de Ladário é criminal, “Ele aguarda decisão da justiça eleitoral para subir para o presídio. Temos muitas provas suficientes que indicam o ilícito, mas hoje ainda temos muitos documentos para avaliar. A denúncia deste crime só chegou na delegacia após as eleições” .

Comentários