Vereador é investigado por suspeita de pedofilia em Nova Alvorada do Sul

O vereador Paulo Roberto de Oliveira (PT), que ocupa cadeira na Câmara Municipal de Nova Alvorada do Sul, está sendo investigado pela Polícia Civil por ordem do secretário de Estado da Justiça e Segurança Pública, Silvio Cesar Maluf, após receber uma denúncia na qual o parlamentar aparece como suspeito de aliciar menores de idade para prática de sexo.

Vereador Paulo Puff é investigado pela Polícia Civil por suspeita de exploração sexual de menores
Vereador Paulo Puff é investigado pela Polícia Civil por suspeita de exploração sexual de menores

Na denúncia que chegou à Secretaria de Estado de Justiça, o vereador, que é conhecido como Paulo Puff, estaria oferecendo presentes em troca de favores sexuais com menores, o que, se ficar provado, configura crime de pedofilia.

O vereador, ouvido pelo delegado de Polícia Civil, Christian Duarte Mollinedo, acompanhado pelo advogado de defesa, negou que tivesse envolvimento com qualquer menor de idade, mas reconheceu que já foi investigado sob a mesma acusação quando morava em Fátima do Sul e lecionava em Jateí. O depoimento ocorreu no dia 11 de maio quando Paulo Puff também confirmou o furto de computadores do gabinete dele na Câmara de Vereadores.

A Polícia Civil estranha justamente essa versão do vereador em torno do furto, já que somente computadores foram levados do gabinete. Isso porque, o delegado Christian Duarte Mollinedo já havia solicitado ao Poder Judiciário, com base no Inquérito Policial número 73/2015, instaurado para apurar acusação de prática de crimes sexuais e corrupção de menores para exploração sexual, mandato de busca e apreensão domiciliar.

A medida judicial deveria ser cumprida no endereço onde Paulo Puff reside em Nova Alvorada do Sul, bem como no gabinete de Paulo Puff, localizado na Câmara Municipal. No pedido de busca e apreensão, o delegado de Polícia Civil foi taxativo: “Ao cabo do trabalho preliminar de investigação foi produzido um circunstanciado relatório acerca de diligências, demonstrando haver indícios de que o vereador Paulo Puff estaria ofertando presentes para seduzir menores em troca de favores sexuais, realizando aquilo que já teria ocorrido no município de Fátima do Sul, no ano de 1999 e que voltaria a ser praticado pelo mesmo novamente”.

Ainda no pedido de busca e apreensão, o delegado Christian Duarte Mollinedo informa ao juiz de Direito: “O perfil do acusado permite concluir que o mesmo possui compatibilidade com de um abusador sexual e que se satisfaria várias vezes com o armazenamento e visualização de materiais que poderiam estar armazenados em computadores”.

A Polícia Civil investiga agora se houve vazamento do pedido de busca e apreensão. A reportagem apurou que já foi pedido a quebra de sigilo telefônico de funcionários do Poder Judiciário de Nova Alvorada do Sul para saber se houve contato anterior com o vereador, uma vez que o furto ocorreu apenas no gabinete do parlamentar e foram subtraídos somente os equipamentos que seriam alvo do mandado de busca e apreensão.

Ao ser interrogado pelo delegado de Polícia Civil, o vereador Paulo Puff negou que tivesse tomado conhecimento do pedido de busca e apreensão, bem como alegou não saber que estava sendo investigado pela polícia.

Ele também ressaltou que na denúncia de exploração sexual contra alunos que pesou contra ele, por meio do MPE (Ministério Público Estadual), quando lecionava em Jateí, não houve comprovação do crime e ele acabou inocentado. A reportagem tentou falar com o vereador Paulo Puff na tarde de ontem, mas ele não foi encontrado na Câmara Municipal e o número do celular dele não foi fornecido pela assessoria do Poder Legislativo.

O PROGRESSO

Comentários

comentários