Durante velório, indígena dada como morta liga para família e avisa que está viva

MF com Dourados News

Caixão – Ilustrativa

Uma situação incomum surpreendeu a população de Dourados. Uma família velava o corpo de uma mulher, quando, em meio ao velório, a suposta defunta ligou para os parentes e informou que identificaram o corpo errado. O caso ocorreu nesta segunda-feira (28), no município a 233 quilômetros de Campo Grande.

De acordo com o jornal local Dourados News, na noite do dia 19, uma mulher foi encontrada gravemente ferida com sinais de espancamento e foi levada ao pronto-socorro. Mesmo com todo atendimento médico, ela não resistiu e, no dia seguinte, acabou morrendo. O corpo foi levado ao Instituto de Medicina e Odontologia Legal (Imol) para aguardar identificação, já que estava sem documentos no momento em que foi encontrado.

No mesmo dia, uma família residente na Aldeia Bororó buscava informações sobre uma parente desaparecida: Rosicleia da Silva Liandres. A irmã da mulher então foi ao Imole reconheceu o corpo como o da familiar. Assim, foi dado processo para liberação do corpo a fim de realizar o velório, que durou de sábado até ontem (28), pois alguns familiares ainda não haviam chegado a Dourados.

O surpreendente é que, enquanto a mulher era velada na segunda-feira, a própria Rosicleia telefonou para a irmã informando que estava em uma fazenda e que por imprevistos atrasou o retorno para casa.

Na ligação, a irmã ainda revelou que estava velando a irmã, mas Rosicleia deixou claro que estava viva e que ocorreu um engano na identificação do corpo. Encerrado o velório, o corpo da mulher retornou ao Imol e após exames periciais acabou então identificada como Cristina de Oliveira, 48, também moradora na reserva.

Comentários