Tribunal de Justiça adia julgamento sobre greve dos professores

Foi adiado, para 7 de outubro, o julgamento do Órgão Especial do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul sobre a paralisação dos professores da Reme (Rede Municipal de Ensino) de Campo Grande, que durou 93 dias e terminou no dia 27 de agosto.

Professores durante um dos protestos realizados durante a greve
Professores durante um dos protestos realizados durante a greve

Na sessão desta quarta-feira (9), quatro desembargadores, incluindo-se o relator, Romero Osme Dias, manifestaram-se pela ilegalidade da paralisação de. Dois magistrados consideraram o movimento legal.

O julgamento foi adiado em razão do pedido de vista feito pelo desembargador Luiz Tadeu Barbosa Silva e, também, das férias do relator, Romero Osme Dias Lopes.

Segundo o relator no Órgão Especial, a greve foi ilegal, porque os professores já recebiam o piso nacional, de R$ 1.917. Ele também apontou que a categoria não acatou a determinação judicial, que mandou 66% dos trabalhadores retornarem ao trabalho.

Os desembargadores vão decidir se a paralisação é legal e, ainda, se a Prefeitura tem que cumprir a lei determinando reajuste de 13,01% para a categoria neste ano, em atendimento ao pedido feito pelo sindicato dos professores na ação.

Esse reajuste foi o motivo de toda a pendenga entre os grevistas e a administração de Gilmar Olarte, sem chegar a um acordo.

Comentários

comentários