Travesti é presa após adolescente denunciar exploração sexual e trabalho escravo em Dourados

Da Redação

Uma travesti de 16 anos, natural de Campo Grande, revelou à Polícia Civil de Dourados que vinha sendo mantida sob exploração sexual e trabalho análogo à escravidão numa casa de prostituição localizada na Rua Sinézio de Matos, Jardim Piratininga.

Foto: DEPAC Dourados.

No local, os agentes prenderam uma travesti de 26 anos, identificada como ‘Morena’, onde constataram as denúncias da vítima. Segundo informações da polícia, ontem à noite a menor estava na companhia de outras travestis em uma lanchonete localizada na Rua Joaquim Teixeira Alves com a Rua Mato Grosso.

Durante confusão no local, o proprietário solicitou que elas deixassem o estabelecimento, mas houve resistências e ameaças contra o comerciante.

Ele acionou a Guarda Municipal, que encaminhou as envolvidas até a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário de Dourados). Lá descobriram que uma das travestis era menor e passaram a questioná-la, momento em que revelou as denúncias contra a casa de prostituição.

Agentes do SIG (Setor de Investigações Gerais) junto com os guardas foram até o local indicado e constataram que lá a adolescente sofria agressões recorrentes, era obrigada a manter o imóvel limpo e ainda pagava R$ 50 por dia para morar no local. Além disso ela era obrigada a manter relações sexuais com os clientes da casa.

Morena foi autuada em flagrante por trabalho escravo e favorecimento à prostituição. A adolescente está sob os cuidados do Conselho Tutelar. O caso segue em investigação no 1° Distrito Policial.

Comentários