Trânsito de Campo Grande registra 15 mortes em 2020; maioria motociclistas

60% dos condutores tiveram acidentes sem envolvimento de outros veículos, o que preocupa Agetran. Última morte aconteceu na madrugada desta sexta-feira (28).

O trânsito de Campo Grande foi responsável por 15 mortes apenas nestes primeiros dois meses de 2020. Os dados, divulgados pela Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran), preocupam principalmente os motociclistas, que foram vítimas em 13 dessas ocasiões.

Batida de carro e motocicleta, em Campo Grande, na última quinta-feira (27)

O último dos casos aconteceu na madrugada desta sexta-feira (28), quando uma passageira de uma moto morreu, na Vila Taveirópolis, após o veículo bater em um poste de iluminação pública no canteiro central da avenida Prefeito Lúdio Martins Coelho. Esta foi mais uma ocorrência em que motociclistas ou passageiros morreram após perderem o controle do veículo, sem envolvimento de outras pessoas ou veículos.

De acordo com a chefe de educação no trânsito da Agetran, Ivanise Rotta, 60% dessas mortes foram em choques sozinhos, em postes, muros ou árvores. “A nossa preocupação é exatamente com a origem desse acidentes. Geralmente, foram em casos em que o limite de velocidade não foi respeitado. Se a pessoa perde o controle da direção, quer dizer que o condutor não estava na velocidade correta, em que poderia frear. Obedecendo os limites e a sinalização, mesmo que o acidente aconteça, a vida pode ser preservada”, afirma.