Trabalhadores da Santa Casa, ainda preocupados mantém assembleia

Mesmo depois do acordo para a retomada dos atendimentos ambulatoriais de média complexidade, interrompidos desde terça-feira (05/05), e a não suspensão das cirurgias eletivas, que estava prevista para a próxima segunda-feira (11/05, firmado entre a direção da Santa Casa e a prefeitura de Campo Grande, os trabalhadores do hospital mantem a assembleia para discutir o futuro dos profissionais.

No acordo de ontem selado na Assembleia Legislativa a prefeitura ficou de repassar R$ 3 milhões à Santa Casa até o dia 31 de maio, sendo R$ 2,5 milhões para a média complexidade e R$ 500 mil para a alta complexidade.

Os trabalhadores não ficaram seguros com  este novo acordo e se a situação irá melhorar, ou se outro impasse será criado.

A expectativa é que audiência reúna mais de 2.000 profissionais na assembleia que foi convocada pelo SIEMS (Sindicato dos Profissionais da Área de Enfermagem de Mato Grosso do Sul), SINTESAÚDE/MS (Sindicato Intermunicipal dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Mato Grosso do Sul) e SINTERMS (Sindicato dos Técnicos e Auxiliares em Radiologia em Empresas Públicas e Privadas no Estado de Mato Grosso do Sul).

O presidente do SIEMS, Lázaro Santana, avalia que a mobilização demonstra o descontentamento da categoria com a postura da prefeitura municipal. “A prefeitura mantém-se resistente, enquanto isso, os profissionais e a sociedade podem sofrer as consequências e isso é inadmissível”, indigna-se o presidente.

Na assembleia será discutida até se a categoria irá fazer um manifesto para tenatar chamar a atenção da sociedade para a situação de todos os envolvido no funcionamewnto do hosptal.

Comentários

comentários