Tite aceita críticas, mas se diz disposto a correr riscos: “Tomada de decisão”

Gazeta Esportiva.com

25/03/2019 – Republica Tcheca – Praga – Praga – Brasil x Panama 2019 – Treino Praga – Brasil x Treino – Eden Arena –
Foto : Pedro Martins / MowaPress

O fraco desempenho e o empate da Seleção Brasileira com o Panamá na cidade do Porto, em Portugal, no último sábado, aumentaram a pressão sobre os atletas e o técnico Tite visando o compromisso desta terça-feira na Eden Arena, em Praga, contra a República Tcheca, mas principalmente a Copa América, que será disputada entre os meses de junho e julho. O comandante canarinho, porém, se mostrou tranquilo.

Em entrevista coletiva concedida nesta segunda-feira após a última atividade da Seleção antes do amistoso, Tite se retratou quanto a análise do desempenho diante do Panamá e disse aceitar as críticas, principalmente quanto a tomada de decisão. Um dos exemplos, inclusive, foi a manutenção de Coutinho entre os titulares, em meio a diversas mudanças no sistema defensivo.

“Todas as críticas que têm caráter técnico, tático, físico e emocional eu não tenho que contrapor. São pontos de vista, visões, óticas, a gente tem que saber conviver com isso. Os atletas não jogam pelo técnico, jogam pela Seleção, pelo Brasil. Quando tira o viés daquilo que é importante, acho arriscado. Ele não joga por técnico, joga por orgulho pela Seleção, prazer da satisfação profissional. E aí está incluído o técnico, mas esse é um clichê mentiroso”, disse Tite.

“Corro todos os riscos, inclusive esse (de Coutinho). Tomada de decisão é em cima de um trabalho desenvolvido, daquilo que se pensa, dos conceitos. Mas eles são inevitáveis. E esses riscos, essa pressão são inevitáveis do cargo. O que tem que ter é coerência. E parte disso é dar trabalho a ele, repetir a formação e ter tempo. Futebol é fundamentalmente na prática, no exercício, repetição”, completou.

Em meio a um processo de renovação dos convocados após a Copa do Mundo, Tite também foi questionado quanto a utilização de algumas apostas. Quanto a isso, o treinador levou com bom-humor e alertou para a necessidade de fazer testes sem desestruturar o sistema tático da Seleção.

“O que a gente procura é ter um pouco de coerência para oportunizar sem desestruturar. As avaliações serão nos próximos jogos ou durante os treinos”, finalizou o treinador.

No amistoso desta terça-feira, Tite terá uma equipe diferente da que empatou com o Panamá. A linha defensiva será toda modificada, com Alisson herdando a vaga de Ederson, além de Fagner, Éder Militão, Miranda e Alex Telles, que darão lugar, respectivamente, a Danilo, Thiago Silva, Marquinhos e Alex Sandro. Por fim, Allan será o substituto de Arthur

Comentários