Tio e sobrinho são presos por duplo homicídio na Capital

Semi Muniz de Moraes, 38 anos, e o sobrinho, Thiago Muniz de Moraes, 46 anos, foram presos e estão sendo acusados de um duplo homicídio ocorrido no dia 14 de fevereiro deste ano, no bairro Estrela Dalva, na Capital.

Delegado contou como crimes aconteceram. Foto: Kerolyn Araújo
Delegado contou como crimes aconteceram. Foto: Kerolyn Araújo

De acordo com o delegado titular da 3ª Delegacia de Polícia Civil de Campo Grande, Fabiano Nagata, o crime resultou na morte de Renner Oliveira Amaro, 22 anos, e Eloísa Chaves, 44 anos. “Tudo começou com uma briga em dezembro de 2013. Em fevereiro houve a vingança que resultou na morte de Renner e Eloísa”, contou.

Segundo o delegado, Ricardo Henrique dos Santos, 29 anos, se envolveu em uma briga com Thiago em dezembro de 2013. Em fevereiro de 2014 com um revólver calibre 38, Ricardo com o amigo Renner Oliveira Amaro, 22 anos, foi até a casa de Thiago para se vingar.

Dupla estava usando documentos falsos. Foto: Kerolyn Araújo
Dupla estava usando documentos falsos. Foto: Kerolyn Araújo

Durante a confusão, foram disparados tiros que acertaram a mãe de Thiago, Aguida Muniz de Moraes, 46 anos, e a namorada, Thais Paulo Goes, 20 anos. Na ação, Renner acabou sendo baleado e morreu.

Na foto, Renner aparece ao lado de Cristiano Ronaldo. Foto: Ivan Silva
Na foto, Renner aparece ao lado de Cristiano Ronaldo. Foto: Ivan Silva

Ao ver a mãe a namorada baleadas, Thiago, na companhia do tio Semi, foram até a casa de Ricardo e mataram a tiros sua mulher, Eloísa Chaves, 44 anos.

No dia do crime, Ricardo foi preso em flagrante, mas foi solto posteriormente e responde em liberdade. Em março foram pedidas as prisões de Thiago e Semi.

Em setembro, Thiago foi preso em Corumbá e Semi em Campo Grande, no bairro Vida Nova. Como estavam foragidos, ambos estavam usando documentos falsos.

O advogado de defesa de Thiago e Semi, Marcos Ivan, afirmou que os clientes estavam sendo ameaçados por Ricardo e por isso cometeram o crime. 

Todos os envolvidos na confusão tinham passagem pela polícia, entre elas por porte ilegal de arma, roubo, tentativa de homicídio e tráfico de drogas.

Kerolyn Araújo

Comentários

comentários