‘The Economist’: ‘Abertura de impeachment eleva chance de Dilma ficar’

Brasília - A presidenta Dilma Rousseff sanciona a lei que dispõe sobre a atividade do lotérico, em cerimônia no Palácio do Planalto (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
“Dilma´s Disasters” – “A ação de Cunha é falha e ameaça apenas afundar o Brasil ainda mais na lama”, afirmou a ‘The Economist’ em referência a reportagem de fevereiro em que citava o “lamaçal” econômico e político no País. – Foto: BBC Brasil

O início do processo de impeachment de Dilma Rousseff na Câmara dos Deputados pode, ironicamente, aumentar as chances de sobrevivência política da presidente até 2018, avalia a revista britânica The Economist.

Com dois textos dedicados ao novo capítulo da crise política brasileira, a edição da revista que chega às bancas nesta sexta-feira (4) criticou o acolhimento do pedido de impeachment pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

“A ação de Cunha é falha e ameaça apenas afundar o Brasil ainda mais na lama”, afirmou a publicação, em referência a reportagem de fevereiro em que citava o “lamaçal” econômico e político no País.

Embora faça críticas a Dilma – citada como “a presidente mais impopular e ineficaz da história moderna brasileira” – , a revista conclui que o “tempo trabalha a favor” da petista, já que o gesto de Cunha “parece um ato de vingança” diante do cerco que o deputado enfrenta na Operação Lava Jato.

O deputado está entre os cerca de 40 políticos com foro privilegiado investigados por suspeita de participação no escândalo de corrupção na Petrobras. O Ministério Público Federal descobriu contas não declaradas do peemedebista na Suíça, que teriam sido abastecidas com dinheiro desviado da estatal. Cunha nega corrupção e diz que não tinha controle sobre as contas, que seriam apenas usadas para planejamento sucessório e educação dos filhos.

“Cunha pode ser facilmente visto como agindo em interesse próprio do que um homem de Estado, colocando uma interrogação sobre toda a confusão. O PT tende a cerrar fileiras em apoio à presidente, e Dilma sem dúvida será mais firme do que nunca em não renunciar, como alguns na oposição esperavam”, diz o texto intitulado “Dilma’s Disasters” (Os Desastres de Dilma).

Cenários possíveis

Na avaliação da Economist , a oposição não tem hoje os 342 votos (entre 512) necessários na Câmara para derrubar Dilma, mas o quadro pode mudar se surgirem provas contra a presidente na investigação da Petrobras.

A publicação responsabiliza a presidente pelo “desastre econômico” no País, que associa a “políticas fiscais e monetárias irresponsáveis e ao incessante intervencionismo microeconômico” do primeiro mandato (2010-2014), mas diz que ela “merecia mais alguns meses para tentar retomar as rédeas” da economia.

“Se ela falhasse, aí haveria um motivo forte para convencê-la a renunciar pelo bem do País”, afirma a revista. “Ao atacar cedo demais e com os motivos mais inconvincentes, Cunha talvez tenha dado sobrevida maior a uma presidente fraca e destrutiva.”

Sobre os motivos citados por Cunha para acolher o pedido – sobretudo a abertura por Dilma, em 2015, de créditos suplementares em desacordo com a Lei Orçamentária -, a revista diz que a presidente “não seria a primeira a adulterar contas públicas”, mas lembra que a gestão da petista foi a primeira a ter contas rejeitadas por órgão de controle (Tribunal de Contas da União).

“É tudo o que o Brasil precisava. Com um enorme escândalo de corrupção a todo vapor, economia em queda livre, finanças públicas em frangalhos – e uma classe política que age em causa própria e sem intenção de enfrentar nenhum desses problemas – o País agora foi servido com uma crise constitucional”, diz a publicação.

2015 e 1992

Ao comparar a situação de Dilma com a do ex-presidente Fernando Collor de Mello, que sofreu um processo de impeachment em 1992, a revista aponta três semelhanças: a falta de habilidade para lidar com um quadro político fragmentado, a baixa popularidade e a economia em baixa.

Por outro lado, diz a Economist , a presidente não é acusada de enriquecimento ilícito e mantém o apoio de seu partido. “E talvez o mais importante: há pouca evidência de que a oposição queira assumir a bagunça das mãos de Dilma. Preferiria vê-la sofrer e obter uma vitória fácil na próxima eleição em 2018.”

“Infelizmente, o furor irá deslocar a atenção já dispersa dos políticos brasileiros das soluções para os muitos problemas do país, a começar pelo déficit crescente no Orçamento. A História poderá julgar esse como o maior pecado de Cunha.”

Fonte: BBC Brasil

Comentários

comentários