Temer sabia de tensão entre facções desde a Olimpíada do Rio, diz ministro

O governo federal acompanhava, já no meio do ano passado, a ampliação da disputa entre o PCC (Primeiro Comando da Capital) e o Comando Vermelho, no Brasil, e também fora do país, de acordo com o ministro Raul Jungmann (Defesa).

Segundo ele, no período da Olimpíada, o governo já tinha conhecimento sobre a ampliação da disputa de mercado entre o PCC e o CV. “Ficou evidente que haveria necessidade de uma resposta”, disse.

Diante desse quadro, segundo ele, já havia uma expectativa de que os militares fossem acionados a agir, mas não sabia que seria nos presídios. “Não sabíamos o dia ou exatamente o que viria, mas sabíamos que seríamos convocados a colaborar”, afirmou.

Durante a Olimpíada, segundo o ministro, o governo acompanhou a situação.”Ali nós já sabíamos que você tinha processo de nacionalização do Comando Vermelho e do PCC. Nos chegavam informações de que o PCC estava disputando mercado de produção do Paraguai. O PCC e CV foram aliados e depois romperam na disputa de mercado.”

O ministro afirmou que começou um “processo de retaliação” dentro dos presídios, já que é lá que fica o comando das facções. “Onde o PCC é mais poderoso ele retalia o CV. (…) Onde o CV é mais forte que o PCC, acontece o inverso. Essa disputa acontece nessas duas quadrilhas que se nacionalizaram e que estão se internacionalizando.”

A reportagem apurou que esse acompanhamento foi feito durante a Olimpíada principalmente porque o governo temia que grupos terroristas estrangeiros cooptassem as facções. Isso não ocorreu, na avaliação de uma fonte das Forças Armadas, porque o interesse das fações brasileiras é “dinheiro” e não “terror”.

Matéria: Por FolhaPress

Comentários