Taxistas contra Uber trava ruas do centro de São Paulo durante manifestação

Uma manifestação de taxistas contra o aplicativo Uber trava ruas importantes do Centro de São Paulo no início da tarde desta quarta-feira.

Taxistas fecham viaduto em frente à Câmara Municipal de SP (Foto: Carolina Dantas)
Taxistas fecham viaduto em frente à Câmara Municipal de SP (Foto: Carolina Dantas)

A região do entorno da Câmara Municipal, no Viaduto Jacareí, está tomada por táxis brancos de São Paulo e de outras capitais.

Os taxistas foram acompanhar a votação do Projeto de Lei 349/2014 de autoria do vereador Adilson Amadeu (PTB), que pede a proibição de aplicativos para transporte, como o Uber.

O trânsito está pesado no Centro da cidade. Às 13h, o congestionamento estava acima da média, com 46 km de lentidão, segundo a CET. Mais cedo, a CET registrou bloqueios na Avenida Moreira Guimarães, na Rua da Consolação, na Marginal Tietê, na Praça Charles Miller e na Rua Alvinópolis.

Os taxistas também levaram para a frente da Câmara carros de som. Os motoristas utilizaram vuvuzelas e fogos de artifício para pressionar a votação do projeto de lei. iniciou por volta das 11h. Balões foram instalados em frente ao prédio da Câmara com as frases “Fora Uber” e faixas com o rosto do vereador Amadeu foram colocadas nos prédios da região.

O único vereador que se pronunciou contrário ao Projeto foi Police Neto (PSD), que estava defendendo os aplicativos para a mobilidade da cidade e debatendo com taxistas em frente à Câmara.

Os taxistas saíram pela manhã de diversas regiões da cidade, como Interlagos, na Zona Sul, com destino a Câmara Municipal. Às 12h40, a CET )Companhia de Engenharia de Tráfego) registrava quatro pontos de bloqueio causados pelo protesto. Um estava em frente a Câmara Municipal, na Rua Maria Paula.

Outro está na Avenida Tiradentes, na altura do nº 509, sentido aeroporto. Um terceiro grupo estava na Radial Leste, sentido Centro, na altura da Av. Álvaro Ramos. Um quarto comboio ainda ocupava duas faixas centrais da Avenida Paulista, na altura da Haddock Lobo, sentido Paraíso.

Votação de projeto

Vereadores de São Paulo sinalizaram que o projeto de lei que proíbe aplicativos como o Uber deve ser aprovado em segunda votação, marcada para esta quarta-feira (9). Na manhã do dia 2 de setembro, eles participaram de uma audiência pública sobre o tema e disseram que 38 vereadores aceitaram ser coautores do texto, criado por Adilson Amadeu (PTB). Para ser aprovado, são necessários 28 votos.

O projeto de lei 349/2014 proíbe o “uso de carros particulares cadastrados em aplicativos para o transporte remunerado individual de pessoas”. Na prática, a lei proíbe a atuação de aplicativos como o Uber. Se aprovado em 2ª votação, ele ainda precisa ser sancionado pelo prefeito Fernando Haddad (PT).

Durante a audiência pública, os representantes dos sindicatos dos taxistas e do Uber expuseram as opiniões. Amadeu foi aplaudido pelos taxistas, que seguravam faixas “vote sim para o PL 349/2014”. “Eles [Uber] precisam parar de trabalhar. Estão na base do caça-níquel sem serem legalizados”, disse Amadeu.

Os vereadores Police Neto (PSD), Salomão Pereira (PSDB), Ricardo Young (PPS) e Toninho Vespoli (Psol) apresentaram propostas novas sobre o tema em agosto. Para Young, a solução seria terminar com os alvarás para facilitar a profissão de taxistas.

A proposta não foi bem recebida pelo grupo de taxistas presentes. Carlos Laia, secretário geral do Sindicato dos Taxistas de São Paulo, disse que não se preocupa com os novos projetos, já que os autores estão dispostos a dialogar.

Na primeira votação do projeto de Amadeu, que ocorreu no fim de junho, ele foi aprovado por 48 votos a 1. O único vereador que votou contra a proposta foi Police Neto, que sugere um outro projeto que adeque a atual condição aos novos aplicativos para mobilidade urbana.

“Eu não posso votar a favor de um projeto que é contra a inovação e prejudica o usuário”, disse Neto na bancada durante a audiência desta quarta-feira.

Polêmica

Desde abril, os taxistas de São Paulo têm protestado contra o aplicativo, que utiliza carros particulares para a locomoção de passageiros. Em maio, a Justiça de São Paulo derrubou a liminar que determinava a suspensão das atividades do Uber no Brasil.

Deputados estaduais de São Paulo também começaram a discutir o projeto de lei 1090/2015, que proíbe o uso de carros particulares cadastrados em aplicativos para o transporte remunerado individual nos 645 municípios do estado de São Paulo.

 

G1

Comentários

comentários