Suspeito de tramar morte de Rafaat oferece US$ 5 mi por “cabeça” de presidente

O narcotraficante Jarvis Chimenes Pavão, suspeito de ter tramado a emboscada que terminou com a morte de seu rival, Jorge Rafaat Toumani, 56, no dia 15 de junho em Pedro Juan Caballero, teria oferecido US$ 5 milhões – aproximadamente R$ 18 milhões – pela “cabeça” do presidente do Paraguai, Horácio Cartes.

Jarvis Chimenes Pavão, narcotraficante brasileiro, preso na penitenciária de Tacumbu (Foto: Rogério Cassimiro/ÉPOCA)
Jarvis Chimenes Pavão, narcotraficante brasileiro, preso na penitenciária de Tacumbu (Foto: Rogério Cassimiro/ÉPOCA)

Além de Cartes, seus familiares e outras autoridades daquele país estariam na lista do novo ‘chefão’ do tráfico após a perda de seus privilégios no presídio de Tacumbú, em Assunção.

A informação é do jornal “Hoy”, a confirmação do fato foi feita pelo ministro do Interior, Francisco de Vargas. “As informações da inteligência são de fontes confiáveis e estão sendo verificadas, porém, existe fundamento para dar credibilidade ao ato”, relatou ao jornal.

Ainda de acordo com o periódico paraguaio, alguns pistoleiros brasileiros estariam no país vizinhos com ordens para a execução do presidente. Uma denúncia seria protocolada ainda hoje junto à Justiça paraguaia que sejam tomadas as medidas cabíveis.

Recentemente a imprensa paraguaia mostrou uma série de mordomias que Pavão possuía na cela em que estava, na Capital daquele país. Condicionador de ar, geladeira, televisão e vários outros eletrônicos ficavam a disposição do traficante, relembre aqui. (Com Informações Dourados News)

Comentários

comentários