Em julgamento no STF, medicamento para tratar fibrose cística é incorporado pelo SUS

susOs familiares e cidadãos que são pacientes de uma doença cronica, a fibrose cística, tem um motivo a comemorar a partir desta quinta-feira (27), com o  SUS (Sistema Unico de Saúde) incorporando um medicamento para tratar a doença. A comemoração vem em meio a luta há anos para que o governo disponilizasse tratamento e remédio pelo Sistema, que são de alto custo, como o Página Brazil já retratou a situação. Como também pela mais recente batalha, em manifestações pelo Brasil, como aconteceu em Campo Grande, para sensibilizar o STF (Supremo Tribunal Federal) que está com ação em julgamento para que os governos, seja federal, estadual ou municipal, forneçam o custeio – de cerca R$ 30 mil -ou façam o SUS realizar os procedimentos. Clique nos links acima e conheça mais sobre a situação já relatada por nossas reportagens e o que é a doença.

Hoje, uma pequena parte desta luta foi conquistada, com o Ministério da Saúde publicando uma portaria no DOE (Diário Oficial da União), que torna pública a decisão de incorporar o remédio Tobramicina Inalatória. O item é um dos principais para o tratamento de infecção crônica das vias aéreas em pacientes com fibrose cística.

A portaria entra em vigor hoje, odne de acordo com o texto, o relatório de recomendação da Conitec-SUS (Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS) sobre o medicamento será disponibilizado no endereço eletrônico http://conitec.gov.br/.

Pela Suprema Corte, que julga o caso da obrigatoriedade na distribuição de remédio com valores de alto custo para portadores de doenças raras, entre elas a Fibrose Cística. Os julgamento está em processo no STF, tendo iniciado no último dia 27 de setembro. Naquele dia, o processo de votação e decisão foi suspenso por um pedido de vistas de um dos ministros. Mas, a ação deve ser retomada ainda este mês. As manifestações que já ocorreram é “STF, Minha Vida Não Tem Preço”, com objetivo de sensibilizar pessoas e autoridades a favor da continuidade da concessão gratuita dos medicamentos.

A doença

De acordo com a Sociedade Brasileira de Assistência à Mucoviscidose, a fibrose cística é uma doença genética, crônica, que afeta principalmente os pulmões, o pâncreas e o sistema digestivo. Atinge cerca de 70 mil pessoas em todo mundo e é a doença genética grave mais comum da infância.

Um gene defeituoso e a proteína produzida por ele fazem com que o corpo produza muco de 30 a 60 vezes mais espesso que o usual. Esse muco espesso leva ao acúmulo de bactéria e germes nas vias respiratórias, podendo causar inchaço, inflamações e infecções como pneumonia e bronquite, trazendo danos aos pulmões.

Os sintomas da fibrose cística variam de pessoa para pessoa, mas os mais comuns são:

– pele de sabor muito salgada;

– tosse persistente, muitas vezes com catarro;

– infecções pulmonares frequentes, como pneumonia e bronquite;

– chiados no peito ou falta de fôlego;

– baixo crescimento ou ganho de peso, apesar de bom apetite;

– fezes volumosas e gordurosas e dificuldade no movimento intestinal (poucas idas ao banheiro);

– surgimento de pólipos nasais.

Ainda segundo a entidade, antigamente, crianças afetadas pela fibrose cística mal chegavam à idade de completar a escola primária. Atualmente, o diagnóstico precoce e o tratamento correto aumentam a expectativa e a qualidade de vida de crianças e adultos acometidos pela doença

Comentários

comentários