Superintendente da Vigilância Sanitária reforça que a parceria da população é essencial para combater dengue

Nádia Nicolau

Campo Grande contabiliza 24.500 notificações, no Estado, a soma chega a 26.500 de janeiro até agora, é o que informou a superintendente de Vigilância Sanitária da Secretaria Municipal de Saúde (SESAU), Veruska Ladho, em entrevista.

Segundo Veruska, os surtos de Dengue (Aedes aegypti) que, geralmente, ocorrem entre novembro e dezembro, esse ano começaram de forma tardia. “Epidemia é sempre muito impactante. Especialmente porque em 2019 foi reintroduzido o tipo 2 da doença, o que não ocorria desde 2002”, explicou.

Embora seja grande o número de notificações, a superintendente destaca que são feitas análises laboratoriais e, de acordo com os resultados, está havendo diminuição dos casos.

Veruska reforçou que o poder público desenvolve um trabalho preventivo de educação em saúde, levando informação à população. “Nos meses de outubro e novembro já alertando e recolhendo materiais inservíveis que são descartados. Há casos de dengue o ano inteiro e a parceria da população que faz seu papel de cuidar, cobrar e denunciar é fundamental”.

Ela frisou, ainda, que Campo Grande está entre as três cidades brasileiras que irão realizar a etapa final do método “Wolbachia” para o combate ao mosquito Aedes aegypti, da Fiocruz em parceria com o Ministérios da Saúde. Esse método se trata da liberação do Aedes com o microrganismo Wolbachia na natureza, reduzindo sua capacidade de transmissão de doenças.

Mesmo com métodos inovadores, as tradicionais medidas e ações contra a proliferação do mosquito transmissor são essenciais para o combate à doença. Por isso, Veruska Ladho salienta que “é preciso eliminar todos os focos de dengue, para evitar os criadouros principalmente dentro das residências”.

Serviço: Para quem quiser fazer denúncias, seguem os contatos da Ouvidoria da SESAU: Telefone: (67) 3314-3000 | E-mail: [email protected]

Comentários