Socorro aos municípios dita prioridades de obras no Estado, afirma Miglioli

Em entrevista ao programa Tribuna Livre, e ao portal Página Brazil, o secretário estadual de Infraestrutura, Ednei Marcelo Miglioli, afirmou que todo o calendário de obras do estado precisou ser ajustado para priorizar o socorro aos municípios afetados pelas chuvas, que quebraram recordes históricos no estado.

O secretário de infraestrutura, Marcelo Miglioli, durante entrevista ao programa Tribuna Livre, da Capital FM. Foto: Silvio Ferreira

“Estamos com dez contratos de emergência com dez empresas, para dar atenção aos municípios atingidos pelas chuvas, nas estradas vicinais, estamos fazendo mais duas contratações nesta semana, em função de ter aumentado o número de municípios em estado de emergência. Essas empresas têm o propósito de atender às estradas vicinais e os municípios.”

De acordo com o secretário, “Nós estamos com as empresas com contrato de manutenção para as estradas estaduais e nós levamos ao governo federal ontem (19.01), um pleito de perenização de pontes atingidas pelas chuvas, 92 pontes, nos municípios. E as de rodovias estaduais o governo vai assumir o ônus para si. Dessa forma, se conseguirmos fechar a parceria com o governo federal, nós acreditamos que poderemos dar uma boa resposta aos municípios atingidos.”

Além da preocupação do cidadão comum com o comprometimento do calendário escolar no estado, por conta do comprometimento do transporte de estudantes nos municípios, os produtores rurais são particularmente afetados, tanto na produção pelo excesso de chuvas, quanto pelas condições precárias da malha viária – principalmente das estradas vicinais -, para o escoamento da safra.

Miglioli destacou que “o fim destas contratações [emergenciais], é justamente atender a estes dois segmentos: o trânsito escolar que compromete a sociedade como um todo e o setor produtivo, que depende destas estradas para fazer o escoamento. Todos sabem que MS tem uma economia pautada no agronegócio e nós não podemos deixar que a questão do trânsito, a questão da falta de acesso comprometa o resultado financeiro da sociedade e do estado como consequência. Então o governo está muito atento e temos conversado muito com o setor produtivo, através da Famasul, sindicatos e prefeitos e nós temos conseguido um bom diálogo entre todos.”

De acordo com o secretário de infraestrutura, “o momento é de resolver os problemas. A ordem do governador Reinaldo Azambuja (PSDB) e que nós passamos a todas as nossas equipes é que as estradas têm que ficar transitáveis. É óbvio que não vamos conseguir deixar essas estradas em um condição ideal nesse momento, mas o importante é que tenham trânsito para que a gente possa atender essa emergência e esse processo de escoamento de safra, uma vez que estamos iniciando um processo de colheita dessa safra.”

Em um cenário em que serão necessárias tantas ações emergenciais, perguntamos ao secretário o que será possível realizar do cronograma de obras que o estado tinha antes da ocorrência do longo período de chuvas que afetou muitos municípios do estado. Segundo Miglioli, “o momento é de atender as emergências. Nós tínhamos um planejamento, é óbvio que alguma coisa do planejamento vai ser comprometido, não tem como [não ser]. O dinheiro é um só, não há como gastar o dinheiro agora e dizer que ele não vai fazer falta lá na frente.”

E finalizou: “Mas o momento é de emergência, e a determinação do governador para que se atenda a essa emergência e assim que nós tivermos um número final do que nós vamos ter que investir, nós vamos refazer o nosso planejamento, mas eu acredito que nós vamos fazer um bom ano de 2016”, previu o secretário.

Silvio Ferreira

Comentários

comentários