Site de MS oferece ferramentas inovadoras para divulgar prestadores de serviços

Quando criou a “world wide web” (em tradução livre: rede mundial de computadores), entre o final da década de 1980 e o início da década de 1990, o físico britânico Timothy John Berners-Lee, cientista da computação e professor do Massachussets Institute of Tecnology (MIT) queria facilitar o compartilhamento e atualização de informações entre pesquisadores. Nem é preciso dizer, que a sua “criatura” ganhou proporções infinitamente maiores do que as modestas pretensões iniciais do cientista – Por Silvio Ferreira

O físico britânico Tim Berners-Lee, que criou a ‘world wide web’ entre as décadas de 1980 e 1990

De lá pra cá, a rede passou por diversas fases: desde sua origem nos laboratórios de um dos maiores institutos de pesquisa de tecnologia do mundo, passando por sua popularização, “booms” e “crashs” do comércio eletrônico pré e pós-Nasdaq 2000, até o que alguns pesquisadores definem hoje como “era da razão”. E essa lógica pode parecer complexa, mas na verdade é cada vez mais óbvia e simples: tudo converge para a internet.

Brincadeira usa a tradicional fonte gráfica da Coca-Cola para o nome do maior portal de buscar do mundo, que hoje, vale mais no mercado do que a gigante dos refrigerantes – Foto: Internet

Geração Google – Para exemplificar como esse fenômeno ocorre: facilmente podem ser encontrados – lado a lado – em residências de quase todo o mundo, sobre mesas em que jovens navegam pela internet através de um PC, um notebook ou um tablet, dois dentre os maiores ícones do capitalismo moderno: alguém se utilizando de um buscador Google e uma lata de refrigerante. Detalhe: hoje a Google, fundada em 1998, já vale mais, nas bolsas de valores de todo o planeta, do que a Coca Cola, fundada em 1892, 106 anos antes.

Assim, empreendedores em todo mundo, não cansam de investir longas noites sem sono na criação de ‘start-ups’, de novos sistemas, plataformas e projetos empresariais, baseados da rede mundial de computadores.

Tererébytes – E não é diferente em Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Um bom exemplo é Rodrigo Dell, idealizador do portal ‘Kativ‘, projeto que pretende catalizar um sem-número de profissionais que de outra forma, por conta do custo do investimento, não teriam a possibilidade de anunciar seus produtos e serviços nos tradicionais veículos de comunicação e que hoje, através da abrangência da internet, podem não só divulgar seus produtos, mas atrair clientes através de uma estratégia agressiva de marketing.

Rodrigo Dell - CEO Kativ

Inovação – De acordo com Dell, “a maioria dos serviços de anúncios que existem on line atualmente oferecerem apenas um espaço para nome, endereço e telefone. O Kativ vem na contrapartida de criar uma conexão, um elo, entre o anunciante e o seu consumidor, através dos recursos que vamos oferecer, como a geolocalização, que vai permitir a interação do consumidor, na busca pelo anunciante que estiver mais próximo dele.”

Rodrigo acrescenta que os anunciantes contarão ainda com o feedback dos seus clientes: “Através de comentários e pontuação, os buscadores vão poder avaliar o serviço prestado.

Recursos – “Vamos incluir a possibilidade de ‘linkar’ vídeos, redes sociais, um formulário de contato. A partir do momento que o buscador encontra aquele anúncio, já pode interagir diretamente com o anunciante na tela, algo super fácil, descomplicado. O usuário buscador tem todas as informações que ele precisar em realização, formas de contato, facebook, twitter, whatsapp, tudo ali, tudo constando na tela”, pontuou o idealizador do Kativ.

“O Kativ vem para criar essa conexão entre anunciado e buscador. Não é uma ferramenta para você só ver, é uma ferramenta para você interagir, para você realmente se conectar. Para o anunciante poder se adaptar às necessidades que seus buscadores estiverem oferecendo a ele. Pode ter inúmeras formas de atuação, de interação, através de promoções, todas as informações possíveis”, garante Rodrigo Dell.

Público-alvo: “O Kativ foi desenvolvido para prestadores de serviços, free-lancers, profissionais liberais, pequenos negócios…Todos eles são comportados pelo Kativ. Principalmente os prestadores de serviço têm dificuldade de encontrar um lugar, um espaço em que ele possa – não apenas estar anunciando -, mas também interagindo com seu público. A partir do momento em que ele tiver um espaço dentro do Kativ, ele pode se conectar muito mais facilmente com seu consumidor e mostrar tudo aquilo que ele pode fazer, tudo aquilo que ele pode estar prestando, para auxiliar às pessoas. O nosso público-alvo é principalmente o de profissionais que não têm uma grande facilidade de acesso a grandes meios de publicidade e marketing. Grandes veículos que têm um valor mais caro, menos acessível. O Kativ vem para oferecer uma ponte de conexão.”

Estratégia de marketing – O idealizador do projeto, explica que “a estratégia do Kativ prevê uma proposta diferente para propor essa ligação” entre profissionais, prestadores de serviço e seu público. “Nós vamos ir até eles, através de promotores de vendas, que vão atuar em todo estado, a princípio, começando em Campo Grande, partindo para todo Mato Grosso do Sul”.

Dell explica que “os promotores de venda do Kativ vão captar esses profissionais, esses anunciantes para o site. Oferecendo todas as vantagens, realizando pré-cadastro, demonstrando como é fácil a criação daquele anúncio. Como ele pode editar, complementando com mais informações, atualizando, sempre mantendo o conteúdo do anúncio novo, sucinto, perfeito para quem estiver buscando.”

Interface – O Kativ tem uma interface amigável. O anunciante pode criar um anúncio a partir da tela do seu celular dele. A interface do Kativ é adaptável e a partir do momento que você estiver com um celular, com um tablet na mão, você pode fazer isso. Você não depende de um computador. A mesma funcionalidade que você tem no computador, você terá no celular ou no tablet. Então, o buscador que estiver fazendo um serviço, ele consegue elaborar um anúncio a partir do celular. Uma das funcionalidades que nós temos”, concluiu Rodrigo Dell.

Comentários

comentários