Sertanejos aderem à campanha de doação de órgãos do governo

A campanha de conscientização para doações de órgãos do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul ganhou o reforço nesta quarta-feira (19) da dupla sertaneja Munhoz e Mariano à Governadoria. Os cantores estão fazendo parte, junto a outros 20 artistas regionais, da campanha educativa e esclarecedora sobre a importância da doação de órgãos. A campanha, que será lançada pelo Governo, ainda contará com um show beneficente dos artistas participantes da iniciativa. A visita foi acompanhada pelo secretário de estado de Saúde, Nelson Tavares, da coordenadora da Central Estadual de Transplantes, Claire Miozzo, além de representantes das equipes médicas de coleta de órgãos e parceiros da Central de Transplantes.

Munhoz e Mariano com o governador Reinaldo Azambuja - Foto: Divulgação
Munhoz e Mariano com o governador Reinaldo Azambuja – Foto: Divulgação

Para o governador Reinaldo Azambuja, a iniciativa do Governo do Estado é estimular a conscientização sobre a doação de órgãos e os grandes resultados obtidos ao salvar uma vida através da doação. “A ideia da campanha é esclarecer e sensibilizar a população sobre os importantes resultados conseguidos através da doação. Temos uma demanda enorme no estado que depende destas doações, dessa forma a nossa campanha vem a contribuir para que este cenário mude e atenda a população que hoje aguarda na fila”, disse o governador.

A campanha traz como tema o slogan “Sou doador de órgãos, e já falei com a minha família” e é alusiva ao Dia Nacional de Doação de Órgãos, comemorado no dia 27 de setembro. De acordo com a coordenadora da Central Estadual de Transplantes, Claire Miozzo, a mobilização dos artistas reforça ainda mais os trabalhos da Central em sensibilizar a população sobre a doação de órgãos, assim como o seu esclarecimento. De acordo com Claire, o grande impasse nos trabalhos de doação são os altos índices de negativa familiar, onde em muitas vezes a família desconhece o desejo do paciente em doar o órgão.

“A participação dos artistas nos ajuda a levar a conscientização à pessoas sobre como funciona a doação de órgãos. Nos casos da doação após a morte, o grande impasse está no desconhecimento da família em relação à vontade do paciente em doar seus órgãos. A campanha atua nesta situação, para estimular a conversa sobre o desejo da doação de órgãos. Não apenas em Mato Grosso do Sul, mas no país inteiro, registramos uma grande negativa familiar e muitas vezes são situações em que a conversa com a família sobre o tema poderia resolver a situação”, disse Claire. Segundo Claire, Mato Grosso do Sul está com fila zero para transplantes de córneas, sendo hoje a maior demanda para transplantes de rins e ossos.

No caso de doação em vida, além dos exames médicos de compatibilidade, é necessário que o órgão do doador seja duplo (rim ou pulmão),tenha capacidade de reconstrução, como o fígado, ou seja um tecido cujo o transplante não cause invalidação ou morte do doador.

Dados nacionais mostram que até junho de 2015, a fila de maior espera é a de transplante de renal, com 24.520 pacientes aguardando, seguido de córnea, com 13.038 aguardando e fígado com 2.156 na fila.

Comentários

comentários