"Senti queimar", diz motociclista ferida no pescoço por linha de pipa com cerol

Alexandra Duarte, 33 anos, contou ao site Diário Corumbaense que ficou ferida depois que uma linha de pipa com cerol cortou seu pescoço, nesta sexta-feira (26), em Corumbá. A vítima passava de moto pelo local e o capacete salvou sua vida.

Alexandra sofreu cortes no pescoço quando voltava para casa de moto
Alexandra sofreu cortes no pescoço quando voltava para casa de moto Fotos: Reprodução Facebook

Ela disse que voltava do serviço para casa de moto quando, ao passar pela rua principal do conjunto, sentiu alguma coisa queimar seu pescoço, o que a fez cair. No chão, ela percebeu que havia cortado seu pescoço com linha de pipa com cerol. Ela avistou os adolescente, que perceberam o acidente e fugiram.

De acordo com o site, Alexandra sofreu cortes no pescoço e teve parte da jugular do capacete cortada, o que evidencia que a linha estava com cerol.

“Eu tenho certeza que se eu não estivesse usando o capacete certo, abotoado, como se deve usar, teria morrido. A linha teria cortado meu pescoço. É uma coisa absurda isso, pois todos os adolescentes de lá usam cerol, é nítido, nós passamos e vemos nas mãos deles”, disse revoltada.

Correia de proteção do capacete salvou motociclista (Foto:reprodução / Facebook)
Correia de proteção do capacete salvou motociclista (Foto:reprodução / Facebook)

Ainda na reportagem, Alexandra contou que onde mora assiste os adolescentes usando o produto e sofre ameaças caso diga alguma coisa . “No conjunto habitacional onde moro, temos que passar e ficar quietos, pois se falamos algo para os adolescentes que estão soltando a pipa, eles nos ameaçam, falam que vão nos degolar mesmo, nos amedrontam, é uma situação que deve ser resolvida. As mães devem ter ciência de que seus filhos podem matar pessoas, a polícia deve ter mais rigor na fiscalização. Eu poderia estar morta e meus filhos, como ficariam?”, disse Alexandra, que iria procurar a Delegacia de Polícia Civil para registrar o fato.

Comentários

comentários