Senadores de MS declaram que vão votar a favor do impeachment de Dilma

Os três senadores de Mato Grosso do Sul Waldemir Moka, Simone Tebet, ambos do PMDB, e Pedro Chaves (PSC) votarão pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff em sessão no Senado nesta quarta-feira.

Moka, Simone e Pedro Chaves
Moka, Simone e Pedro Chaves

Na noite desta terça-feira, 30 de agosto, os parlamentares discursaram em plenário e confirmaram suas posições.

Simone destacou que recai sobre o Senado a difícil missão de escrever a última página sobre um “triste e necessário capítulo da história”, mas con legitimidade garantida, inclusive, pela presença do presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Ricardo Lewandowski.

A senadora indicou que Dilma cometeu omissão dolosa nas crimes de responsabilidade a qual está sendo julgada no Senado, e que o julgamento deve ser feito levando em consideração o “conjunto da obra”, ou seja, as supostas irregularidades cometidas e as consequências das mesmas para a população.

“Muito mais do que a busca da verdade nos autos, é a busca pela verdade real. Das 3 mil páginas que tivemos que ler, a verdade ali é que aconteceram decretos e pedaladas que são crimes de responsabilidade. Temos que buscar histórias por trás das versões, dentro do contexto e da realidade e as consequências disso para os brasileiros”, defende Simone.

O senador Waldemir Moka disse que este é o “golpe mais democrático” da história. O senador, favorável ao impeachment, contou que chegou a essa conclusão ao vê-la conversando com o senador Aécio Neves (PSDB) e com o ministro Ricardo Lewandowski, durante um intervalo da sessão desta segunda-feira (29).

Moka também falou que Dilma passou mais de 14 horas narrando os feitos de seu governo, porém não assumiu nenhum erro. “As respostas pareciam fazer parte de um disco que toca a mesma musica. Vários senadores fizeram perguntam pontuais, algumas tiveram como resposta o volume morto do Cantareira em São Paulo”.

Já Pedro Chaves (PSC), lembrou que em todo processo deve haver o debate e o direito sagrado de homens e mulheres fazerem suas escolhas. “Dilma está sendo julgada como qualquer cidadão de nosso país”.

“Em meu nome, em nome de Campo Grande e do estado de Mato Grosso do Sul, voto pelo impeachment da presidente Dilma Roussef”, foi o final do discurso do senador durante julgamento no Senado da presidente afastada na noite desta terça-feira (31).

Comentários

comentários