Senador Telmário Mota é escolhido relator do caso Delcídio no Conselho de Ética

O senador Telmário Mota (PDT-RR) foi escolhido nesta quarta-feira (2) para ser o novo relator da representação que apura quebra de decoro parlamentar por parte de Delcídio do Amaral (PT-MS) no Conselho de Ética do Senado. Mota foi escolhido por sorteio.

senador Telmário Mota (PDT-RR) - Foto: Divulgação
senador Telmário Mota (PDT-RR) – Foto: Divulgação

Após ser escolhido, o pedetista terá um prazo de cinco dias úteis, a partir desta quinta (3), para apresentar um parecer favorável ou não à continuação do caso. O novo relatório deverá ser apresentado na sessão do conselho da próxima quarta-feira (9).

Delcídio do Amaral foi preso em novembro do ano passado acusado de tentar obstruir as investigações da Operação Lava Jato. O senador foi gravado oferecendo dinheiro e um plano de fuga para que Nestor Cerveró não o citasse durante depoimento de delação premiada.

Uma semana após a prisão de Delcídio, a Rede e o PPS protocolaram a representação no Conselho de Ética para apurar se Delcídio feriu o decoro parlamentar na ocasião.

A defesa do senador, que está afastado do PT, alega que Delcídio não estava exercendo a função de parlamentar quando foi gravado e que as declarações – inclusive aquelas em que Delcídio diz que conversaria com ministros do Supremo Tribunal Federal – foram “simples” bravatas.

Na semana passada, após pedido da defesa de Delcídio, o Conselho de Ética considerou o senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO) impedido de continuar na relatoria. A defesa de Delcídio do Amaral alegava que, por ser do PSDB, Ataídes Oliveira não tinha isenção suficiente para ocupar o cargo de relator.

O motivo é o fato de ele ser do Bloco da Oposição, composto também PV e DEM, partido que apoiou por escrito a representação da Rede e do PPS em desfavor de Delcídio. Por este motivo,o presidente João Alberto acatou o pedido da defesa de Delcídio do Amaral.

Antes do início da sessão que escolheu o novo relator do caso, os membros do colegiado se reuniram a portas fechadas para ouvir um recurso do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP). Randolfe queria que o entendimento sobre o número de possíveis relatores do caso fosse revisto a fim de que mais senadores pudessem participar do sorteio. (G1)

Comentários

comentários