Senado pode criar comissão para acompanhar registro de vacinas contra Covid-19

Da Redação

Os senadores discutiram a criação de uma Comissão especial para acompanhar o registro das vacinas contra a Covid-19 na ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), bem como para fiscalizar todo o processo de aquisição e de distribuição pelos órgãos competentes para os brasileiros. A ideia é que a fiscalização dos senadores possa conferir transparência a todo o processo.

A comissão deve funcionar por 120 dias e ser composta por seis senadores titulares e seis suplentes, respeitada a proporcionalidade partidária.

Os senadores que participaram do debate sobre a criação do colegiado na sessão plenária desta quinta-feira, 19, reforçaram a necessidade de o Senado estar presente no debate e criticaram o fato de o tema estar sendo partidarizado. Compartilharam desta opinião as senadoras Simone Tebet (MDB-MS), Rose de Freitas (Sem partido – ES), Zenaide Maia (PROS -RN) e Jorge Kajuru (Cidadania-GO), entre outros. Para eles, o que importa é a imunização da população e a garantia de credibilidade das vacinas, independentemente da sua nacionalidade.

A senadora Simone Tebet (MDB-MS) disse que viu pessoas em seu estado, o Mato Grosso do Sul, que antes eram contrárias à vacina, agora se dizendo favoráveis à imunização.
“Vi pessoas que não tomariam a vacina A ou B dizendo o seguinte: a segunda onda está chegando. Não conheço mais uma família que não tenha tido alguém com coronavírus. Não conheço uma pessoa que não perdeu um parente ou um amigo querido para esse vírus que, infelizmente, é traiçoeiro. E as pessoas agora estão começando a entender que não importa se a vacina vem da China, dos EUA ou da Rússia, se ela tiver mais de 90% de eficácia, as pessoas vão querer tomar”, constatou.

Para Simone, a comissão deve ser aprovada imediatamente, com representação pluripartidária, “para não fazer disso uma polêmica, para que nós possamos – com toda técnica, amparados por nossa equipe de auxiliares – estar acompanhando e falando em nome do Senado e do Congresso Nacional, passando as informações necessárias à população. Agora é hora de serenidade e calma e não garantiremos isso se não a informarmos corretamente”, disse.

O requerimento para criação da Comissão foi apresentado pelo senador Humberto Costa (PT-PE). Na justificativa da proposição, ele ressalta que “O Ministério da Saúde já tem acordo para compra de imunizantes da AtraZeneca (Reino Unido), por meio da FIOCRUZ, e também de adesão à aliança internacional Covax, todas vacinas em etapas de pesquisa. Estados vem buscando alternativas de vacinas tão avançadas quanto essas, como é o caso da CoronaVac, por meio do reconhecido laboratório público Butantan, cujas reações, segundo apontam estudos, foram leves em 35% dos 9.000 voluntários”.