Senado decide hoje o destino de Dilma Rousseff; assista

O Senado realiza nesta quarta-feira (31) uma das sessões mais importantes de sua história. A partir das 11h (horário de Brasília), será votado se a presidente Dilma Rousseff deve ser afastada definitivamente do cargo, pondo fim a um processo de nove meses que dividiu o País.

Para o impedimento definitivo são necessários ao menos 54 votos favoráveis entre os 81 senadores. O mínimo de votos já é dado como certo pelo governo do presidente interino, Michel Temer, que assumirá efetivamente o cargo até o final de 2018 se Dilma for condenada, tomando posse ainda nesta quarta-feira.

Segundo levantamento do jornal Folha de S.Paulo , 54 senadores já declararam voto favorável ao impedimento da petista, enquanto 20 se disseram contrários. Outros sete ainda não opinaram. Já o diário Estadão fala em 55 votos a favor e 20 contra, além de outros seis que não quiseram responder. O resultado final deverá ser conhecido no início da tarde.

Para abrir a sessão, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, que comanda o julgamento, lerá um relatório que resume o processo e as provas e argumentos da acusação e da defesa.

Depois, será permitido que quatro senadores façam o encaminhamento da votação, sendo dois favoráveis e dois contrários ao impeachment. Essas preliminares devem levar cerca de uma hora. Segundo a Agência Senado, a votação será nominal e através do painel eletrônico. Cada senador deverá responder “sim” ou “não” à seguinte pergunta:

“Cometeu a acusada, a senhora Presidente da República, Dilma Vana Rousseff, os crimes de responsabilidade correspondentes à tomada de empréstimos junto à instituição financeira controlada pela União (art. 11, item 3, da Lei nº 1.079/50) e à abertura de créditos sem autorização do Congresso Nacional (art. 10, item 4 e art. 11, item 2, da Lei nº 1.079/50), que lhe são imputados e deve ser condenada à perda do seu cargo, ficando, em consequência, inabilit

Comentários

comentários