Secretário de Segurança Pública diz que MS teve ‘saldo positivo’ em 2016

O secretário de estado de Justiça e Segurança Pública, José Carlos Barbosa participou na manhã desta terça-feira do Programa Tribuna Livre, da Capital 95 FM. Durante a entrevista, o secretário fez um panorama do trabalho do setor da segurança de Mato Grosso do Sul no ano de 2016.

“Em um cenário de extrema crise penso que o saldo para Mato Groso do Sul seja positivo, os índices de criminalidade aumentam em todas regiões do país, principalmente no Norte e Nordeste. Em junho o governo lançou o programa ‘MS mais seguro’, fizemos entregas importantes, motocicletas, armamentos, equipamentos de proteção individual. Em outubro fizemos a segunda etapa com mais 11 milhões de investimentos e na semana passada a terceira com investimentos de mais de 14 milhões totalizando 306 viaturas que nós entregamos”, disse Barbosa.

O secretário destacou que além de investimentos em salários também existe a importância da aplicação de recursos em equipamentos para a polícia. “É importante que tenha investimento em equipamentos de proteção, bons armamentos, munições e viaturas para que os nossos policiais possam realizar um bom trabalho”.

Confira a entrevista que José Carlos Barbosa concedeu ao PáginaBrazil.com:

O cenário do crime no estado teve reduções e aumentos em setores distintos, Barbosa destaca que a atração que os criminosos têm pelos celulares é um dos motivos para o aumento dos roubos. “Tivemos aumento na parte de furto e de roubo, mas tivemos redução nos homicídios. E o grande vilão desse aumento é o celular, 54% dos roubos registrados nas delegacias é roubo de celular”.

Os celulares são mais procurados pelos assaltantes pois são considerados fáceis de roubar e vender, além de serem valiosos produtos de troca nas bocas de fumo. Acerca deste assunto o secretário explica que é necessário um trabalho completo de investigação.

“O celular acaba sendo uma moeda de troca importante nas bocas de fumo e além de fechar as bocas é necessário também investigar essas empresas que consertam celular, para verificar se aquelas peças possuem notas fiscais e têm suas origens identificadas para que possamos acabar com o comércio de celulares no mercado negro”, declarou o secretário.

Fronteira

Sobre a segurança da fronteira, o secretário destaca o intenso debate entre os governos Estadual e Federal. No quesito de divisas, Mato Grosso do Sul é um estado peculiar, são 1.500 km de fronteira, sendo 500 km de fronteira seca. De acordo com Barbosa ao longo dos anos o governo federal abandonou os cuidados da fronteira.

“Os efetivos da Polícia Federal, os efetivos da Polícia Rodoviária Federal se nós analisarmos, a população dobrou e o efetivo encolheu. Então existe um abandono do governo federal. E não é só policiamento que temos que cobrar do governo federal, somos recordistas absolutos em apreensão de drogas, então no momento que você apreende a droga, o preso fica nos eu estado. Dos 15.600 presos que temos, 6 mil são do tráfico, ou seja, presos federais que estão no estado”, resumiu Barbosa.

Comentários