‘Se ela não quiser voltar, eu mato ela’, confessa pedreiro que matou ex por não aceitar fim do namoro

Da redação

O pedreiro de 42 anos, preso em flagrante após o assassinato da ex, de 38 anos, confessou o crime durante depoimento, em Sidrolândia, a 64 km de Campo Grande. Ele permanece em uma cela do município e aguarda vaga em um presídio da capital sul-mato-grossense. Nessa segunda-feira (2) a Polícia Civil concluiu o inquérito do feminicídio.

A delegada Thais Duarte, responsável pelas investigações, informou que o rapaz confessou que havia ido na casa da vítima com pensamento na cabeça de que se a mulher não quisesse reatar a relação, ele a mataria. “No início, ele relutou em falar do crime, porém, depois acabou contando mais detalhes, como a faca, por exemplo, que pegou no imóvel e a feriu com 20 golpes”.

Conforme informado pela delegada, a vítima chegou a comprar uma arma de choque para se defender do suspeito. No entanto, segundo a filha dela, de 17 anos, que prestou depoimento na delegacia do município, o objeto falhou no momento em que ela tentou se defender das agressões.

“A filha disse que houve o término e ela comprou uma taser [arma de choque] para se defender. Eles tinham terminado há cerca de 1 mês, mas, voltaram e a vítima decidiu terminar de vez. Desde então, ela comentou que ele estava fazendo ameaças para eles retomarem o relacionamento. Quando o homem chegou, a vítima tentou usar, mas, o objeto falhou”, explicou Duarte.

Como o objeto não funcionou, o homem teria ficado por cima da vítima e dado os golpes de faca. “A filha chegou a pegar um objeto para defender a mãe, mas, ela gritou e disse a ela para sair correndo e pedir socorro. Quando ela retornou, tudo já tinha acontecido e o suspeito também tentou se matar”, relatou a delegada.

Desde então, o homem estava internado na Santa Casa, em Campo Grande. Ele teve alta e foi levado para delegacia de Sidrolândia no sábado (29). Além da filha da vítima, a polícia também ouviu dois policiais militares que atenderam o caso.

Entenda o que aconteceu

Rose Lopes, de 38 anos, foi morta a facadas na manhã do dia 24 de janeiro, dentro de casa, em Sidrolândia. De acordo com a polícia, depois de matar a mulher com 20 facadas, Emerson Cláudio Févero se esfaqueou, mas, foi socorrido em estado grave para a Santa Casa de Campo Grande.

Conforme Reginaldo Lopes, irmão da vítima, Rose chegou a pedir ajuda para filha, mas, desesperada a menina só lembrou de chamar a tia, que mora ao lado. “Ela foi na casa da minha outra irmã. A minha irmã me ligou e eu fui correndo pra casa dela. Quando cheguei, eles estavam caídos no chão, minha irmã toda furada, a faca cheia de sangue”, lembra, emocionado.

A polícia e os socorristas chegaram em seguida e constataram que Rose estava morta. Já Emerson foi socorrido. “Ainda não caiu a minha ficha. Estou sem chão.Todos nós vamos morrer, mas não pode ser desse jeito”, desabafa Reginaldo.

Segundo Reginaldo, Rose e Emerson ficaram juntos por cerca de seis meses e ela tinha terminado recentemente o relacionamento, porém ele não aceitava e fazia ameaças.

Com informações do G1.