Saúde promove campanha de combate à raiva na Praça Ary Coelho

Foto Divulgação
Foto Divulgação

Nesta quarta-feira (28) a Prefeitura de Campo Grande promove a campanha educativa de conscientização sobre a Raiva, na Praça Ary Coelho, das 8 às 17h, onde será realizada exposição de material educativo, com participação de outras instituições parceiras, como demonstração de cães do Canil do Choque da Polícia Militar e da Guarda Municipal, além de vacinação antirrábica em cães e gatos e adoção de filhotes.

 A vacinação de cães e gatos é a maneira mais confiável, sustentável e de custo eficaz para prevenir a raiva nas pessoas. Vacinar os animais da família contra a raiva ajuda a proteger todos: os animais e as pessoas.  No mundo 160 pessoas morrem da raiva todos os dias, sendo 100 crianças entre elas.

 O objetivo da campanha será de conscientizar a população quanto à transmissão da Raiva, como evitar a exposição e o que fazer se exposto. Divulgar a prevenção da Raiva humana, através da erradicação da Raiva canina e felina.

A Raiva é uma doença viral que é transmitida através da saliva ou tecidos do sistema nervoso de um mamífero infectado para outro mamífero, geralmente através de uma mordedura ou arranhadura.

No município de Campo Grande o último caso de Raiva Humana foi registrado em 1968. Já em cães e gatos, o último registro de raiva canina havia sido no ano de 1988. Após 23 anos, ocorreu um caso isolado de Raiva Canina no ano de 2011, cujo cão adquiriu a doença através do contato com um morcego contaminado com o vírus.

A partir de 2001 houve uma intensificação na vigilância de quirópteros, com um total de 48 exemplares diagnosticados positivos para Raiva, até o mês de agosto do presente ano. Porém é importante salientar que no Estado do MS, no ano de 2015, houve um surto de Raiva canina e felina no município de Corumbá, o que infelizmente ocasionou em um caso fatal de Raiva Humana.

Até o ano de 2005 a Campanha de Vacinação Antirrábica Animal no município era realizada em um único dia do ano, em pontos estratégicos distribuídos pela cidade, porém a meta de vacinar no mínimo 80% dos animais não vinha sendo alcançada.

Apesar de sua taxa de letalidade de 99,9%, a raiva canina e felina é 100% evitável através da vacinação anual e outras medidas. A vacinação de cães e gatos protege os animais e interrompe a transmissão para as pessoas. Mas, apesar da existência de uma solução relativamente eficaz para controlar a doença, pessoas e animais ainda estão morrendo por causa da raiva.

O Dia Mundial de luta contra a Raiva é um dia de ação e sensibilização, pois a eliminação da raiva em cães e gatos é possível. Vamos fazer essa possibilidade uma realidade. Vamos acabar com a Raiva juntos.

Histórico da raiva em Campo Grande/MS

A partir de 2006 a Campanha de Vacinação começou a ser realizada juntamente com o Inquérito Censitário Canino para diagnóstico da Leishmaniose Visceral Canina, por meio da estratégia de visitação casa a casa, aonde vem obtendo uma melhor cobertura vacinal.

Em 2016 a Campanha de Vacinação deu início no dia 11 de julho, com previsão de término para dezembro deste ano. O que nos chama a atenção é que somente neste ano, foram registrados 10 (dez) morcegos positivos para Raiva encontrados na zuna urbana do município. Vale lembrar que não há registro de morcegos hematófagos habitando a zona urbana de Campo Grande, o qual se limita apenas à zona rural do município. Dos 10 exemplares positivos deste ano, 08 (oito) pertenciam à família dos insetívoros (se alimentam de insetos) e 02 (dois) dos frugívoros (se alimentam de frutas).

Portanto, tais espécies também podem se contaminar com o vírus da Raiva, pois vivem em colônias e, consequentemente transmitir a doença acidentalmente a outro mamífero. O maior problema se encontra no fato de que se um cão ou gato não vacinado contra a Raiva entrar em contato com um morcego contaminado, pode ser realizada a transmissão do vírus do morcego ao animal e consequentemente ao homem. Daí a importância de manter cães e gatos vacinados contra a Raiva regularmente.

Comentários

comentários