São-paulino por 6h, ex-reforço lamenta: “não tinha noção”

Cerca de 24 horas após ser anunciado pelo São Paulo, e depois dispensado, o atacante Getterson falou pela primeira vez sobre o caso. O jogador de 25 anos contou em entrevista ao jornal Estado de S. Paulo que já está a caminho de Curitiba para se reapresentar ao J. Malucelli e tentou explicar as postagens no Twitter que revoltaram os são-paulinos na última quarta-feira.

Cueva e Getterson são recebidos pelo São Paulo no CT da Barra Funda (Foto: Juca Pacheco/saopaulofc.net)
Cueva e Getterson são recebidos pelo São Paulo no CT da Barra Funda (Foto: Juca Pacheco/saopaulofc.net)

“Foi uma brincadeira que fiz com um amigo meu lá por 2010, 2011, quando eu tinha Twitter. Não tenho mais acesso, perdi a senha. Acabou acontecendo. Não mexo há mais de três anos. Não lembrava que existia. Conversei com a diretoria e decidimos me preservar e ao clube também. O torcedor não conseguia ver que sou outra pessoa. Hoje sou casado, tenho filho, sou profissional de verdade. Naquela época não tinha noção do que estava fazendo. Vou tentar recuperar a chance perdida na vida”, lamentou.

Getterson diz ainda que a maior preocupação não era com a reação da torcida, mas sim com a forma como o São Paulo poderia resolver a situação. Afinal, as negociações começaram ainda durante o Campeonato Paranaense e a contratação passou por todos no Tricolor, do departamento de análise de desempenho à diretoria e o técnico Edgardo Bauza.

“Fiquei muito triste, abalou muito, me assustei com a repercussão. O clube estava me contratando pelo meu futebol, não pelo meu passado. Estava louco para vestir a camisa do São Paulo. Não tive a chance de mostrar quem sou de verdade. A negociação durou um bom tempo, não foi rápida. Esse fato do passado me prejudicou. Não tive acesso (às redes sociais) para não gerar nenhum constrangimento, mas minha mulher acompanhou e ficou preocupada, com medo de acontecer algo”, contou.

Comentários

comentários