Santa Casa firma acordo e reabre ambulatório

Durante reunião realizada na Assembleia Legislativa com representantes do Governo do Estado, Prefeitura, direção da Santa Casa, com intermediação dos deputados e da promotora de Justiça da Saúde, Filomena Aparecida Depólito Fluminhan, o hospital decidiu retomar o atendimento ambulatorial nesta sexta-feira. e a não suspensão das cirurgias eletivas, que estava prevista para a próxima segunda-feira (11/05).

Presidente da Santa Casa voltou à Assembleia para discutir situação da Santa Casa com deputados (Divulgação, Roberto Higa, ALMS)
Presidente da Santa Casa voltou à Assembleia para discutir situação da Santa Casa com deputados Foto  Roberto Higa, ALMS)

Ao final, os representantes da Santa Casa aceitaram a proposta do município, considerando o compromisso de o Governo do Estado apresentar, a partir de junho, um incremento ao repasse do município.

Com o acordo celebrado hoje, a prefeitura vai repassar R$ 2,5 milhões à Santa Casa para atendimento de média complexidade e outros R$ 500 mil para alta complexidade.

A entidade suspendeu o atendimento de média complexidade desde terça-feira (5), em razão de um impasse na renovação do contrato com a Prefeitura de Campo Grande, vencido no dia 7 de abril passado.

O presidente da ABCG (Associação Beneficente de Campo Grande), entidade gestora da Santa Casa, Wilson Teslenco, voltou a afirmar que a unidade não abre mão de um contrato longo com a prefeitura, com a previsão de reajustes periódicos.

Na reunião, comandada pelo presidente da Casa Junior Mochi (PMDB) e a deputada Mara Caseiro (PtdoB), também estavam presentes os deputados Prof. Rinaldo (PSDB), Cabo Almi (PT), Antonieta Amorim (PMDB), Felipe Orro (PDT), Lídio Lopes (PEN) e Mara Caseiro (PTdoB), além de outros representantes das secretarias de saúde.

O Governo e a Prefeitura devem montar uma comissão mista e montar um relatório do fluxo de serviços e finanças do hospital. Depois do dia 31 de maio, o relatório deverá ser apresentado, com a definição do valor que o Governo repassará ao hospital e um novo contrato deverá ser firmado.

Para a deputada Mara Caseiro, a reunião foi extremamente positiva, uma vez que até o momento as conversações estavam travadas e nenhuma das partes cedia. “Isso vinha prejudicando a população de todo o Estado, que depende dos serviços do maior hospital de Mato Grosso do Sul. Fico feliz por termos trazido essa discussão para dentro da Assembleia e ter acontecido esse consenso, com todos assumindo suas responsabilidades”, declarou a parlamentar.

Comentários

comentários