Rose Modesto faz balanço de 15 dias à frente do governo do Estado

A governadora em exercício Rose Modesto (PSDB) foi a entrevistada desta segunda-feira do programa Tribuna Livre, da Capital FM e do portal Página Brazil, e apresentou um balanço das ações do governo do Estado durante os quinze dias de férias do governador Reinaldo Azambuja (PSDB), em que a titular da Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho (Sedhast) e vice-governadora de MS, esteve à frente do Executivo estadual.

A governadora em exercício, Rose Modesto (PSDB), durante entrevista do programa Tribuna Livre, da Capital FM. Foto: Silvio Ferreira

Cidades em emergência – De acordo com a governadora em exercício, “durante esses quinze dias, o governador planejou com nossa equipe algumas ações que precisavam ser desenvolvidas. Uma delas, de forma até emergencial, foi visitar algumas cidades que sofreram muito com as chuvas, principalmente a região de Miranda, Aquidauana e Dois Irmãos do Buriti, onde nós tivemos o maior número de famílias ribeirinhas que precisaram ser removidas. Nós estivemos junto com a Defesa Civil levando kits de alimentação, de higiene, material de limpeza e colchões. E também para fazer uma visita, in loco, pra ver como essas famílias estavam sendo abrigadas. Graças a Deus, elas estão recebendo todo o atendimento necessário, inclusive com acompanhamento médico também.”

Quanto aos danos materiais que isolaram ou comprometeram o acesso aos municípios mais afetados pela chuva, Rose Modesto relatou: “Visitamos algumas cidades que estão com equipes de obras, restaurando e reconstruindo algumas estradas. Nós tivemos 60 pontes que caíram. Esse recurso do governo do Estado precisou ser levantado de forma rápida. Nós tivemos que transferir para as cidades R$29 milhões e temos que chegar a quase R$60 [milhões]. Fizemos um pedido ao governo federal, ao ministério da Defesa Civil, que olhe por Mato Grosso do Sul, que encaminhe pra cá esses recursos, para que a gente possa reconstruir. Em momento importante, de escoamento de safra, que é muito importante pra nossa economia e para a nossa produção.”

Piso nacional dos professores – Professora de formação, Rose falou também sobre o estágio em que estão as negociações do governo do Estado com a Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul (Fetems), relativas ao reajuste determinado pelo governo federal no piso nacional da categoria:

“O reajuste de 11,36%, valendo já para janeiro – havia uma expectativa dos estados, que fosse mais pra frente, no mês de agosto -, veio agora, então nós já estamos nos organizando. Já sentei com o nosso secretariado e a Fetems, que é o nosso sindicato dos professores. Nós estamos já neste debate. Conversando também com o nosso secretário de Finanças. Nós sabemos o momento difícil que todos os estados estão vivendo, mas há o interesse, o desejo de a gente poder cumprir, poder alcançar a nossa meta de 2021, ter o professor de MS recebendo seu piso de 40[horas]x20.”

Rose anunciou ainda uma nova reunião que deve buscar um acordo com a categoria: “Vamos ter mais uma reunião no dia 11 de fevereiro para ver se a gente consegue chegar nesse índice e poder cumprir o piso nacional. Acho que o caminho é esse mesmo, se a gente quiser valorizar os nossos educadores e se desenvolver, tem que ser mesmo investindo na questão da Educação”.

Rede Solidária e Vale-Renda: Na área de Assistência Social, em que a governadora em exercício é titular, Rose Modesto falou sobre os programas Rede Solidária e Vale-Renda: “Nós vamos poder, anunciar ainda esta semana a segunda unidade do Rede Solidária. É um desejo do governador fazer esse projeto chegar a alguns municípios e nas regiões mais vulneráveis de Campo Grande. Isso está sendo possível porque nós fizemos um trabalho de gestão em cima do Vale Renda. Aqui na Sedhast, nós cruzamos os dados e encontramos 8.020 famílias que não tinham mais o perfil para receber esse benefício, o que gerou uma economia de R$17 milhões para 2016, que queremos manter na área social para ajudar a desenvolver o nosso Estado.”

Saúde – Rose ainda falou sobre o combate ao Aedes Aegypti, responsável pela disseminação de epidemias de dengue, chikungunya e zika vírus: “Com o nosso secretário, Nelson Tavares, junto com a equipe da Secretaria de Saúde, montamos uma sala de monitoramento. Hoje temos quatro cidades em que montamos um projeto-piloto, com os agentes de saúde. O governo do Estado, vem proporcionando – em parceria com a Receita Federal -, os tablets e até os smartphones, para eles poderem fazer esse trabalho, identificando as residências com focos, de imediato já passando as informações para a sala de monitoramento, para já tomar as decisões.”

A governadora em exercício estima que “o governo investindo na tecnologia, nesse trabalho junto com os municípios, repassando essa estrutura para a gente poder combater esse mosquito que infelizmente hoje deixa o estado em uma situação de emergência. A gente fala com tristeza, MS já tem um dos maiores números de casos de dengue e então essa ação tem sido importante, porque a gente avança quando investe em tecnologia.”

Eleições 2016 – “Eu sempre tenho dito que uma candidatura não pode nascer de si mesmo. O partido acerta quando discute com a sociedade. Qual o perfil da pessoa que o eleitor quer para Campo Grande? Isso não pode ser um projeto pessoal e isolado. O que eu digo sempre é que o PSDB tem vários nomes e pode contar com o meu também.”

Virtual pré-candidata do PSDB à prefeitura de Campo Grande, Rose afirma que uma pesquisa, a ser realizada pelo partido nos próximos dias, será a ferramenta que definirá o nome do partido para 2016: “Nós temos uma pesquisa qualitativa no mês de fevereiro para que em março a gente poder tomar uma decisão e esses encaminhamentos.”

“Hoje eu já ocupo um cargo importante, sou vice-governadora, tenho uma secretaria que cuida das pessoas que mais precisam – a área de Assistência Social é uma área muito importante no desenvolvimento das pessoas -, e eu já tenho procurado fazer por Campo Grande na função que ocupo. Eu tenho um carinho imenso por esta cidade, tive a honra de ser vereadora aqui por dois mandatos. Então sendo candidata à prefeita – sendo prefeita ou não, onde eu estiver, na sala de aula como professora, como vice-governadora ou como secretária -, o meu olhar já tem sido um olhar especial por esta cidade. Agora essas definições, a gente vai ter mesmo ouvindo à população, até pra gente errar menos, em uma discussão tão importante como as eleições 2016”, concluiu.

Silvio Ferreira

Comentários

comentários