River Plate faz o seu papel, bate o Sanfrecce e espera o Barça na final

Alario foi o autor do único gol de uma partida complicada para os Millonarios

O Sanfrecce Hiroshima bem que tentou, mas o River Plate está na final do Mundial de Clubes. Os argentinos venceram por 1 a 0, gol de Alario, e agora aguardam o ganhador de Barcelona e Guangzhou Evergrande, que se enfrentam às 8h30 (de Brasília) desta quinta-feira. Os japoneses foram mais perigosos no primeiro tempo, mas a qualidade dos Millonarios prevaleceu após a volta do intervalo.

Lucas Alario tenta jogada contra jogador do Sanfrecce (Foto: Toshifumi Kitamura / AFP)
Lucas Alario tenta jogada contra jogador do Sanfrecce (Foto: Toshifumi Kitamura / AFP)

O River Plate começou a partida com a bola nos pés, chamando a responsabilidade por ser o time grande em campo. Mantinha o controle do jogo e, sem pressa, atacava pelos dois lados. Mas faltava jogadas mais agudas, que levassem perigo ao gol de Hayashi. Por outro lado, os japoneses passaram a gostar da partida, criaram as melhores chances e o argentino Barovero se transformou no nome do primeiro tempo.

O goleiro tornou-se protagonista da etapa inicial principalmente pelas pixotadas da defesa. A primeira delas foi de Balanta, que foi mal em um lançamento e deixou Minagawa na cara de Barovero, que se virou como pôde para salvar o River. O Sanfrecce foi perigoso logo em seguida em um contra-ataque, desperdiçado pelos homens de frente. O arqueiro dos Millonarios salvaria a equipe duas vezes mais, em jogadas de Chajima e do próprio Minagawa.

Na volta do intervalo, o River retomou às rédeas da partida. A equipe do técnico Marcelo Gallardo manteve a posse de bola e passou a ser mais incisivo nas jogadas ofensivas. Além disso, bloqueou as investidas japonesas, principalmente pelas alas. Logo aos dois minutos, os Millonarios perdeu uma grande chance, após Mercado cruzar, Alario escorar e Mora isolar. Pelo lado do Sanfrecce Hiroshima, o brasileiro Douglas até criava bons lances, mas errava na hora do passe final.

Mais perigoso, o River abriu o placar aos 26 minutos. Em cobrança de falta para área, o goleiro Hayashi saiu mal do gol em dividida com Maidana, e a bola sobrou para Alario empurrar para o fundo das redes. A torcida argentina passou a fazer ainda mais festa em Osaka.

Os japoneses tentaram uma reação para tentar levar o jogo para a prorrogação, mas o River conseguiu segurar as poucas investidas do Sanfrecce e permaneceu com a posse de bola no campo ofensivo.

O Sanfrecce Hiroshima bem que tentou, mas o River Plate está na final do Mundial de Clubes. Os argentinos venceram por 1 a 0, gol de Alario, e agora aguardam o ganhador de Barcelona e Guangzhou Evergrande, que se enfrentam às 8h30 (de Brasília) desta quinta-feira. Os japoneses foram mais perigosos no primeiro tempo, mas a qualidade dos Millonarios prevaleceu após a volta do intervalo.

O River Plate começou a partida com a bola nos pés, chamando a responsabilidade por ser o time grande em campo. Mantinha o controle do jogo e, sem pressa, atacava pelos dois lados. Mas faltava jogadas mais agudas, que levassem perigo ao gol de Hayashi. Por outro lado, os japoneses passaram a gostar da partida, criaram as melhores chances e o argentino Barovero se transformou no nome do primeiro tempo.

O goleiro tornou-se protagonista da etapa inicial principalmente pelas pixotadas da defesa. A primeira delas foi de Balanta, que foi mal em um lançamento e deixou Minagawa na cara de Barovero, que se virou como pôde para salvar o River. O Sanfrecce foi perigoso logo em seguida em um contra-ataque, desperdiçado pelos homens de frente. O arqueiro dos Millonarios salvaria a equipe duas vezes mais, em jogadas de Chajima e do próprio Minagawa.

Na volta do intervalo, o River retomou às rédeas da partida. A equipe do técnico Marcelo Gallardo manteve a posse de bola e passou a ser mais incisivo nas jogadas ofensivas. Além disso, bloqueou as investidas japonesas, principalmente pelas alas. Logo aos dois minutos, os Millonarios perdeu uma grande chance, após Mercado cruzar, Alario escorar e Mora isolar. Pelo lado do Sanfrecce Hiroshima, o brasileiro Douglas até criava bons lances, mas errava na hora do passe final.

Mais perigoso, o River abriu o placar aos 26 minutos. Em cobrança de falta para área, o goleiro Hayashi saiu mal do gol em dividida com Maidana, e a bola sobrou para Alario empurrar para o fundo das redes. A torcida argentina passou a fazer ainda mais festa em Osaka.

Os japoneses tentaram uma reação para tentar levar o jogo para a prorrogação, mas o River conseguiu segurar as poucas investidas do Sanfrecce e permaneceu com a posse de bola no campo ofensivo.

LANCEPRESS!

Comentários

comentários