Resultados parciais de eleições na Bolívia provocam tensão no país

Fonte: Agência Brasil

Os resultados parciais das eleições gerais na Bolívia geraram incerteza e tensão no país após a pausa na contagem que dá vitória ao presidente Evo Morales, embora exista a possibilidade de que o ex-presidente Carlos Mesa, candidato oposicionista, surja como vencedor.

Foto: Reuters/Direitos Reservados.

De acordo com os resultados parciais, com 83,7% dos votos contados, Morales – à frente do Partido para o Movimento Socialismo (MAS) – lidera o pleito com 45,28% dos votos contra 38,16% de Carlos Mesa. Este, que governou a Bolívia entre 2003 e 2005, concorre pela aliança do centro de Ciudadana (CC).

O vencedor precisa de pelo menos 50% dos votos ou 40% com 10 pontos à frente do segundo, mas se essas porcentagens não forem alcançadas, os dois mais votados vão para o segundo turno.

O candidato da oposição acusa o TSE de ocultar resultados eleitorais e pede uma mobilização nacional. O governo pede para aguardar o cálculo oficial. O partido no poder insiste que o voto rural lhe dará a vitória, enquanto a oposição se mobiliza para defender o voto em meio a alegações de fraude.

Ao grito de “Evo, você perdeu! Que parte você não entendeu? ”, Mesa foi recebido ontem (21) no Real Plaza Hotel, nesta capital, onde repudiou a interrupção do escrutínio. Por esse motivo, ele pediu a mobilização popular em frente ao centro de informática do Supremo Tribunal Eleitoral (TSE) para tornar transparentes os dados.

No domingo (20), o TSE interrompeu a recontagem preliminar com 83,7% dos minutos registrados, o que causou as alegações de Mesa de uma tentativa de manipular os resultados e a observação dos veteranos da Organização dos Estados Americanos (OEA) da necessidade de computação ágil e transparente. O órgão eleitoral indicou que os resultados finais serão entregues em sete dias.

“O que eles tentam fazer com essa manipulação de votos é bloquear o segundo turno. E como candidato que irá para o segundo turno com Morales, apelo à mobilização popular em todos os tribunais eleitorais,” disse Mesa.

O partido no poder, através dos ministros da Comunicação, Manuel Canelas e Relações Exteriores, Diego Pary, manifestaram-se sobre os resultados parciais. “Há 17% que precisam ser contabilizados e será prudente que a contagem oficial das atas seja concluída.

Deve-se lembrar que, em grande parte, os números da área rural levam tempo para chegar ”, disse Pary, que depositou sua esperança na vitória em primeiro turno do partido do governo.

Comentários