Resolução do Contran prevê aulas facultativas e outras mudanças para retirar CNH

Nádia Nicolau

O presidente do Sindicato dos Centros de Formação de Condutores de Mato Grosso do Sul (SindiCFC-MS), Wagner Prado, esteve no Tribuna Livre, nesta sexta-feira (20), para esclarecer o que muda de fato com o vigor as novas regras da resolução do Contran Nº 778, para a retirada da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) nas autoescolas.

Ele explicou que estão sempre atentos às mudanças e detalhou como será na prática. Uma das regras é que não há mais a exigência de uso do simulador nas autoescolas para tirar a CNH da categoria B (carros). Wagner destacou, também, que as aulas com o aparelho passam a ser facultativas.

Sobre a declaração que o presidente da República, Jair Bolsonaro, fez mês atrás, indicando que apoia o fim do obrigatório em autoescola. Bolsonaro disse isso no contexto em que mencionou que aprendeu a dirigir em um trator, aos 10 anos de idade, em uma fazenda.

Wagner disse que “foi uma fala imprudente e sem pensar”. Ele acrescentou que educação para o trânsito deveria começar já na pré-escola. “Para adquirir conscientização do futuro condutor”.

Confira outras mudanças:

– A carga horária das aulas práticas da categoria B passa de 25 para 20 horas, como era antes da obrigatoriedade do simulador;

– Agora, para obter a Autorização para Conduzir Ciclomotor (ACC), os condutores farão apenas as provas, sem passar pelas aulas teóricas e práticas. Se forem reprovados, terão que passar por aulas práticas. Esta regra será válida por um ano;

– A partir de setembro de 2020, voltam a ser exigidas aulas práticas, mas apenas 5 horas serão obrigatórias, sendo uma delas noturna. Atualmente, a exigência é de 20 horas.

CLIQUE AQUI para conferir a entrevista na íntegra.

Comentários