Representação contra Cunha no Conselho de Ética tem 50 assinaturas

A bancada do Psol na Câmara dos Deputados, que tinha conseguido a adesão de 45 parlamentares na representação protocolada na tarde desta terça-feira (13) no Conselho de Ética da Casa, informou no início da noite que já tem 50 assinaturas. O documento pede a cassação do presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), por quebra de decoro parlamentar.

Deputados do Psol, do PT, da Rede Sustentabilidade, do PMDB, PSB, Pros e do PPS assinam o documento Foto: Agência Câmara

Recentemente, o Ministério Público da Suíça enviou à Justiça brasileira provas de que o peemedebista tem contas secretas naquele país. Cunha já havia sido denunciado pela Procuradoria-Geral da República ao Supremo Tribunal Federal (STF) por lavagem de dinheiro e corrupção passiva no âmbito das investigações da operação Lava Jato.

O presidente do Conselho de Ética, deputado José Carlos Araújo (PSD-BA), informou que encaminhará nesta quarta-feira (14) o pedido à Mesa Diretora, que terá três sessões deliberativas para protocolar, numerar o processo e devolvê-lo ao colegiado.

Em seguida, serão sorteados três nomes entre os integrantes do colegiado, excluindo aqueles que sejam do mesmo estado ou partido do Cunha (Rio de Janeiro e PMDB, respectivamente), para que o presidente do conselho escolha o relator. A lista tríplice também não pode ser composta por deputados filiados ao PSOL e à Rede, autores da representação.

Ao relator competirá elaborar um parecer preliminar, em até dez dias, sobre se o processo deve ser aberto ou não.

 

Falta de provas

O líder do PSDB, deputado Carlos Sampaio (SP), justificou o fato de o partido não assinar a representação por não haver provas suficientes que condenem Eduardo Cunha.

“A oposição não tem elementos para deliberar sobre isso, porque não tem sequer os documentos. Há um anúncio de movimentações bancárias que para nós já foi o suficiente para pedir o afastamento dele, mas não para gerar a condenação no Conselho de Ética. Eu não iria prejulgar”, explicou Sampaio.

Reação

O presidente Eduardo Cunha disse que está tranquilo em relação ao pedido do Psol e da Rede: “Como eu me sinto? Quando houve a instauração do inquérito, o Psol pediu o meu afastamento. Quando houve o depoimento de delator, o Psol o pediu meu afastamento. Quando houve pedido de denúncia, o Psol pediu o meu afastamento, então por que não pediria agora? Isso é política, são meus adversários políticos, é normal. Tenho absoluta tranquilidade e farei a defesa que tiver de fazer”.

 

Cunha já afirmou ser inocente e ressaltou não ter cometido nenhuma irregularidade. Ele disse que foi escolhido para ser investigado como parte de uma tentativa do governo de calar e retaliar a sua atuação política.O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), atribuiu nesta terça-feira (13) a representação apresentada pelo PSOL e pela Rede no Conselho de Ética por suposta quebra de decoro parlamentar a um “jogo político”. Cunha disse estar “absolutamente tranquilo” e acrescentou que os deputados que pedem o seu afastamento da presidência da Casa ainda terão que “me aturar um pouquinho mais”.


Com Agência Câmara

Comentários

comentários