Renan: impeachment sem crime de responsabilidade tem outro nome

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse nesta terça-feira (22) que o processo de impeachment pode ser “uma coisa normal”, mas que impedimento sem a comprovação de um crime de responsabilidade deve receber outro nome. A declaração foi dada após Renan se reunir com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no começo da tarde.

Foto Reprodução Globo News
Foto Reprodução Globo News

“Eu acho que o impeachment, em circunstância normal, é uma coisa normal. Mas é bom que as pessoas saibam e a democracia exige que nós façamos essa advertência, que para haver impeachment tem que haver a caracterização do crime de responsabilidade da presidente da República. Quando o impeachment acontece sem essa caracterização, o nome sinceramente não é impeachment, é outro nome”, disse Renan.

Questionado, então, sobre se o impeachment sem crime de responsabilidade seria “golpe”, Renan desconversou: “Quando não há caracterização do crime de responsabilidade, não é impeachment, o nome deve ser outro, não é impeachment. É por isso que nós precisamos ter responsabilidade com o Brasil e com a democracia”.

Mais cedo, nesta terça, a presidente Dilma Rousseff voltou a classificar de golpe o processo de impeachment que tem ela como alvo na Câmara dos Deputados e reafirmou que não irá renunciar “jamais”.

A petista deu a declaração durante ato organizado no Palácio do Planalto para que dezenas de profissionais do meio jurídico manifestassem apoio ao governo e se posicionassem contra a tentativa de afastá-la da Presidência.

Reunião com Lula

Renan Calheiros negou que, na reunião com Lula, o ex-presidente tenha pedido algum apoio dele. Segundo o colunista do G1 e da GloboNews, senadores do PT ficaram entusiasmados com os primeiros retornos do encontro entre os dois, que também teve a presença do ex-presidente José Sarney.

Até então, a avaliação era que o processo de impeachment passaria de forma rápida no Senado, depois de aprovado pela Câmara. De acordo com o colunista, para petistas, se Renan mantiver o compromisso assumido com Lula, o cronograma do processo de impeachment no Senado poderá ser mais lento do que o imaginado inicialmente.

“Ele não pediu nada. Apenas conversou sobre a conjuntura política e eu externei o ponto de vista do presidente do Congresso Nacional que tem que ser responsável, isento, tem que se preocupar com as funções do legislativo. Nenhum poder pode pensar em atropelar a função de outro poder. Se isso acontecer, nós vamos ter crise institucional no Brasil”, afirmou o peemedebista.

O presidente do Senado também comentou sobre o posicionamento do PMDB com relação ao governo federal. Para Renan, a sigla precisa ter “responsabilidade”.

“O PMDB mais do que nunca precisa demonstrar sua responsabilidade institucional. O PMDB sair do governo – e digo isso com a autoridade de quem não participa do governo – se o PMDB sair do governo e isso significar um agravamento da crise. É uma responsabilidade indevida que o PMDB deverá assumir”, classificou Renan Calheiros. (G1)

Comentários

comentários