Receita e Procuradoria da Fazenda fecham cerco a fraudes fiscais

Malha fina da Receita Federal (Foto: Ilustração )
Malha fina da Receita Federal (Foto: Ilustração )

A Receita Federal e da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional devem iniciar um trabalho de cerco as fraudes fiscais em tributos federal. Isto é o que prevê uma portaria conjunta das instituições arrecadadora e fiscalizadoras do governo federal. Publicada hoje (18) no Diário Oficial da União, o documento visa criar grupos de atuação especial no combate à fraude à cobrança administrativa e à execução fiscal (Gaefis).

De acordo com a portaria, o objetivo é “identificar, prevenir e reprimir fraudes fiscais que ponham em risco a recuperação de créditos tributários constituídos ou inscritos em Dívida Ativa da União”. Assim, a portaria conjunta diz que as superintendências regionais da Receita Federal e as procuradorias-gerais da Fazenda Nacional deverão indicar, em 90 dias, representantes para compor as equipes.

Conforme o texto, compete ao Gaefis, em relação aos casos selecionados, levar em consideração “a potencialidade lesiva da fraude; o risco de ineficácia da cobrança ou da execução fiscal; e a necessidade de adoção de medidas judiciais urgentes para assegurar a efetividade da cobrança.”

Os integrantes do Gaefis reunir-se-ão, no mínimo, mensalmente e, entre outras medidas, devem solicitar o monitoramento patrimonial dos sujeitos passivos ou de terceiros envolvidos no cometimento da fraude à cobrança ou à execução fiscal, com vistas à “proposição de medidas judiciais necessárias ao acautelamento e à recuperação dos créditos tributários constituídos ou inscritos em Dívida Ativa da União, sempre que ocorrer mutação patrimonial que ponha em risco a satisfação de referidos créditos”.

Além disso poderão propor ações de busca e apreensão, quebra de sigilo de dados ou outras medidas necessárias à produção de provas para demonstração de responsabilidade tributária ou localização de bens e direitos em nome do sujeito passivo ou de terceiro envolvido em fraude fiscal.

Comentários

comentários