A realidade de uma terra devastada por uma Olimpíada da mentira! Atletas brasileiros vão perder o plano de saúde

O fim dos Jogos do Rio 2016 não muda a história do esporte olímpico brasileiro, muito menos quebra a triste tradição da debandada de investimentos destinada aos atletas e aos profissionais do alto rendimento.

O brasileiro Fernando Reis sofre lesão em evento-teste para os Jogos Olímpicos do Rio
O brasileiro Fernando Reis sofre lesão em evento-teste para os Jogos Olímpicos do Rio (ESPN)

É uma prática comum no final de cada ciclo olímpico e pan-americano. O problema é que todos, pelo menos os atletas e sobrevivente do esporte amador, esperavam que, depois de uma edição de Jogos Olímpicos no Brasil, algum legado, pelo menos financeiro, ficaria para os astros que nos representaram nas Olimpíadas em nossa terra.

Doce ilusão

Desta vez, a má notícia vem por intermédio de um comunicado da Confederação Brasileira de Levantamento de Peso, a CBLP, a todos os atletas que participaram dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

No e-mail enviado no dia 31 de outubro de 2016, o presidente da entidade, Enrique Montero, escreve: Assunto: Cancelamento Plano de Saúde.

O documento avisa que o contrato do Comitê Olímpico do Brasil com a empresa Bradesco Seguros vencerá no dia 31 de dezembro de 2016. E que os atletas terão que devolver as carteirinhas o mais rápido possível à Confederação.

No texto, a entidade teme que os atletas usem os planos de saúde após o vencimento do contrato. Abaixo, o e-mail enviado aos atletas olímpicos do levantamento de peso.

email
Reprodução (ESPN)

TARDA MAS NÃO FALHA

A notícia não serve apenas para a Confederação de Levantamento de Peso, mas sim para todas as entidades filiadas ao COB. Segundo o presidente da CBTM (Confederação de Tênis de Mesa), Alaor Azevedo, todos os dirigentes já foram avisados sobre o fim do contrato dos planos de saúde.

Alaor disse ainda que não sabe como ficarão os atletas que não têm planos privados e que está tentando um patrocínio com outras empresas para não deixar, mais uma vez, os atletas desamparados.

O dirigente ainda afirmou que em todas as viagens dos mesatenistas têm um seguro viagem para qualquer eventualidade.

A reportagem também perguntou ao atleta olímpico dos saltos ornamentais, Hugo Parisi, se ele havia recebido algum comunicado da Confederação de Desportos Aquáticos sobre a possibilidade de perder o seguro saúde. O saltador disse que não recebeu nenhum comunicado até o momento.

Por telefone falamos também com Dona Geni Hippóliito, mãe do medalhista olímpico Diego Hypólito e da primeira medalhista em mundiais, Danielle Hypólito. Dona Geni disse que seus dois filhos, atletas da ginástica olímpica, jamais ficaram sem um plano de saúde bancado pela Confederação de Ginástica e que eles não foram avisados a respeito do fim do contrato da empresa que patrocinou o COB durantes os Jogos do Rio.

A mãe dos dois ginastas disse que, além do plano do patrocinador, tanto Danielle quanto Diego sempre tiveram planos de saúde privados. E foi além, afirmou que o esporte é de alto risco e que seria inviável aos filhos pagarem do próprio bolso a infinidade de tratamentos e cirurgias que ambos sofreram durante toda a vida esportiva.

A única coisa que anda tirando o sono da mãe dos ginastas é o fim do ciclo olímpico e, consequentemente, a virada do ano.

Por enquanto o que se sabe é que nenhum atleta do esporte olímpico brasileiro sabe o que vai acontecer a partir de 1º de janeiro de 2017.

PRESENTE DE PAPAI NOEL

O futuro da maioria dos atletas brasileiros está indefinido, não só para aqueles que ganharam medalhas, mas principalmente para aqueles que não subiram ao pódio no Rio 2016.

Além de não saberem se terão um novo plano de saúde, muitos já lamentam perder os apoios como a Bolsa Pódio e outros incentivos oriundos de projetos, como o da Petrobras, que durante cinco anos deu grande suporte financeiro para o desenvolvimento de cinco modalidades olímpicas, entre elas levantamento de peso, esgrima, remo, boxe e taekwondo. Além, claro, de outros exemplos, como os Correios, que não patrocinarão mais a Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos, a CBDA.

Para terminar o ano no qual o Brasil se mostrou para o mundo como sede das inéditas Olimpíadas na América do Sul, fica o grande presente para aqueles que dedicaram uma vida inteira ao esporte olímpico do nosso país: a dúvida de como será o amanhã.

Este filme, que também tem suas inúmeras trilhas sonoras, como sempre, tem o mesmo enredo e final infeliz. Um filme com o mesmo título, previsível, de todo fim de ciclo olímpico.

Aqui fica uma sugestão para os cineastas que se interessarem por esse drama da vida real e esportiva-amadora do Brasil: “Adeus Rio 2016. A realidade de uma terra devastada por uma Olimpíada da mentira”.

Comentários