Quadrilha era fria, calculista, violenta e iria fazer mais vítimas, diz delegado

A Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Fronteira (Defron) apresentou, na manhã desta sexta-feira, os cinco envolvidos na morte do caseiro Josias Leiva, de 34 anos, em um estância em Dourados, morto a tiros na manhã de quarta-feira (14). De acordo com o delegado responsável pelo caso, Matheus Zampieri, a principal característica da quadrilha era utilizar violência, além de agirem de forma fria e calculista. “Eles não iam pensar duas vezes em fazer novas vítimas para conseguirem voltar ao Paraná”, afirmou o Zampieri durante a coletiva de imprensa.

Quadrilha era fria, calculista, violenta e iria fazer mais vítimas, diz delegado
Quadrilha era fria, calculista, violenta e iria fazer mais vítimas, diz delegado

Estão presos Francisley Peixoto, o Carvão, 31 anos; Rudson Carlos Passarelli da Silva, o Rud, 20 anos; Evandro Medeiros dos Santos, 21 anos; Valdeci Ferreira, o Pica Pau, 44 anos e Bruno Barros de Oliveira, o Pinguço, de 20 anos. Todos são do estado do Paraná e têm passagens pela polícia.

De acordo com o delegado, a integração entre as forças de segurança pública foi o que levou a prisão de todos os membros da quadrilha. “Tivemos a participação de policiais militares, civis e da PRF no caso. A troca de informações e ações em conjunto fizeram com lográssemos êxito em prender todos os envolvidos, até mesmo um dos indivíduos que tentou fugir para o Paraná, sendo preso naquele estado”, enfatizou o delegado.

Segundo o comandante da Força Tática de Dourados, Tenente Jouzemar, várias incursões foram feitas na mata atrás dos dois indivíduos em busca de indícios que levassem a prisão dos assaltantes. “Foram mais de 30 horas de busca e conforme o tempo passava íamos aumentando a área de atuação, assim como fazendo contato com as polícias de todas as cidades próximas a mata”, enfatizou o Tenente.

Todas as forças de segurança pública de Dourados e também da região participaram da caçada contra assaltantes Foto: Cido Costa
Todas as forças de segurança pública de Dourados e também da região participaram da caçada contra assaltantes
Foto: Cido Costa

Na operação participaram policiais da Polícia Rodoviária Federal, com a utilização de helicóptero, do SIG de Dourados e da Polícia Civil de Caarapó e Juti, policiais militares da Força Tática de Dourados e do destacamento de Juti, policiais civis e militares do Paraná, policiais do Departamento de Operações de Fronteira (DOF) e da Polícia Federal de Dourados.

Entenda o Caso

De acordo com o delegado que acompanha caso, o tiro que matou o caseiro, Josias Leiva, foi disparado por Valdeci Ferreira. O mesmo também é responsável pelos disparos que atingiram um outro homem no Clube Rancho do Laço e contra um policial rodoviário federal.

O terror de assaltos e fuga da quadrilha começou no estado do Paraná, quando Valdeci e outros dois menores roubaram uma caminhonete no estado vizinho, para trazer o veículo até o Paraguai onde seria vendido por R$ 9 mil. Bruno Barros aguardava Valdeci na fazenda, para levar a caminhonete até a cidade de Nova Esperança (PR).

Para trazer o veículo até o Paraguai, a quadrilha contratou Evandro dos Santos que era habilitado. Na terça-feira à noite, a Polícia Rodoviária Federal abordou Valdeci, Bruno e Evandro, que empreenderam fuga em meio a mata. Os policiais também visualizaram o GM/Vectra, que foi abordado no posto Capey sendo presos Rudson e Francisley, que informaram que faziam o serviço de batedor para os comparsas.

Após a fuga, Evandro separou-se de Valdeci e Bruno, voltando para Dourados e pegando um mototáxi até o Paraná, onde foi preso pela Polícia Civil com apoio da Polícia Militar, após receberem informações da polícia aqui do Estado.

Sozinhos, Valdeci e Bruno buscavam um veículo. No Racho do Laço, os dois fizeram a primeira vítima, que foi atingida com um disparo de arma de fogo no peito, que está fora de perigo. Sem encontrar nenhum veículo no local, os dois seguiram até Estância B, onde mataram o caseiro com um tiro no rosto e fugiram na caminhonete F-100. Ainda na casa, Bruno e Valdeci amarraram outros familiares que estavam no local.

Em fuga com o veículo roubado, Bruno e Valdeci perderam o controle da direção e bateram em um Guard Rail. Um policial Rodoviário Federal passava pelo local e foi prestar socorro a dupla, que anunciou o assalto. O PRF conseguiu escapar dos dois, houve troca de tiros e os assaltantes fugiram novamente para uma mata. Após o cerco feito por mais de 50 policiais, a dupla andou às margens de um córrego por mais de 30 quilômetros, saindo próximo a cidade de Juti.

Deixando a mata, os dois renderam um caminhoneiro, ordenando para o mesmo seguir pela BR. Uma pessoa que passava pelo local viu o assaltou e acionou a PM do município de Juti, que efetuou a prisão dos dois assaltantes, que ainda tentaram fugir, sendo capturados em seguida.

Com Informações Dourados Agora

Comentários

comentários