Puccinelli é levado pela PF e pode colocar tornozeleira eletrônica

Jackson Nogueira

A Polícia Federal desencadeou nesta quinta-feira (11), a quarta fase da Operação Lama Asfáltica em Mato Grosso do Sul. Dessa vez, serão cumpridos 44 mandados entre prisão preventiva, condução coercitiva e busca e apreensão em quatro cidades de MS e outros dois estados.


Viatura da PF sai para cumprir mandados na quarta fase da Operação Lama Asfáltica (Foto: Divulgação/PF)

Nesta manhã, policiais estiveram por volta das 6 horas na casa do ex-governador André Puccinelli (PMDB). Puccinelli foi levado por um delegado e dois agentes da Polícia Federal para a sede da Polícia Federal, onde pode receber uma tornozeleira eletrônica, dispositivo de acompanhamento virtual, usado normalmente em criminosos condenados, ou em investigados.

Os policiais passaram ainda na casa do filho do ex-governador, André Puccinelli Júnior, advogado e professor universitário. Ele também foi conduzido coercitivamente para prestar depoimento na sede da Polícia Federal, assim como o o dono da Gráfica Alvorada, Mirched Jaffar e o ex-secretário adjunto de Fazenda, André Cance.

MÁQUINA DE LAMA

Alvo direto da Lama Asfáltica, André Puccinelli foi apontado como principal beneficiário de suposto megaesquema de corrupção na Secretaria de Obras do Estado. Ele trabalharia em conjunto com o empresário João Amorim em supostas falcatruas com a verba pública.

De acordo com a PF, a nova fase foi motivada após investigação em provas colhidas em fases anteriores. As fraudes em licitações, superfaturamentos em obras públicas e pagamento de propinas desviaram valor estimado em R$ 150 milhões.

A quarta fase foi intitulada Máquinas de Lama, pois de acordo com a Polícia Federal, os valores de propina pagos eram justificado com o aluguel de máquinas, geralmente com o único proprósito de justificar os pagamentos.

Também ficou confirmado, conforme a polícia, o envolvimento de servidores públicos e a tentativa de lavagem de dinheiro, com a obtenção de benefícios e isenções fiscais. A Lama Asfáltica invesrtiga o desviou recursos públicos em licitações públicas, superfaturamento de obras públicas, aquisição fictícia ou ilícita de produtos e corrupção de agentes públicos.

Os recursos desviados passaram por processos de ocultação da origem, resultando na configuração do delito de lavagem de dinheiro, conforme a PF em nota.

Comentários