Puccinelli diz que já foi ao Gaeco e vai depor de novo “como testemunha”

O ex-governador André Puccinelli (PMDB) esteve na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul nesta quarta-feira (9), e afirmou que já prestou depoimento ao Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado). Ele disse não ter medo da investigação.

Ex-governador foi à Assembleia nesta quarta-feira Foto: Jéssica Benitez
Ex-governador foi à Assembleia nesta quarta-feira Foto: Jéssica Benitez

Convocado na semana passada a prestar depoimento sobre suposta participação no esquema de aliciamento de vereadores na Capital com esse objetivo, o ex-governador solicitou mudança de data alegando compromissos inadiáveis.

Abordado por repórteres que fazem a cobertura diária das sessões da Casa, limitou-se a dizer que irá depor na condição de testemunha e que não tem envolvimento no caso. “Fui como testemunha e vou quantas vezes forem necessárias”, prometeu ex-governador, que também é alvo de investigação na Operação Lama Asfáltica, desencadeada em 9 de julho pela Polícia Federal, Receita Federal, CGU (Controladoria-Geral da União) e MPF (Ministério Público Federal).

A Operação Cofee Break, desencadeada pelo Gaeco, investiga a participação de vários políticos. As investigações começaram no início de 2014. Em abril, o Gaeco apreendeu vários documentos na casa prefeito Gilmar Olarte (PP), afastado pela Justiça em 25 de agosto.

Até agora, prestaram depoimento os vereadores Paulo Siufi (PMDB), Airton Saraiva (DEM), Chocolate (PP), Edil Albuquerque (PMDB), Gilmar da Cruz (PRB), Edson Shimabukuro (PTB), Jamal Salém (PMDB), Carlão (PSB) e Mário César (PMDB), ex-presidente da Câmara.

Comentários

comentários