Psicólogos em escolas e defesa da mulher que sofre violência são bandeiras apoiadas por Marçal Filho

Nádia Nicolau

O advogado, radialista e atual deputado estadual, Marçal Filho, esteve no programa Tribuna Livre de hoje (29). O parlamentar, que tem feito proposições de relevância de âmbito social, falou sobre seus projetos e ações da Assembleia Legislativa.

A primeira pauta da entrevista foi a energia elétrica. Marçal propôs a criação de uma Frente Parlamentar, diante dos aumentos nas contas de energia dos sul-mato-grossenses. A intensão é fiscalizar as ações da concessionária. “Esse ano tivemos altos reajustes e fomos pegos de surpresa”. Ele mencionou ainda, que vários estados passaram a transferir esse serviço para a iniciativa privada.

“Aqui, nossa situação é ainda pior porque não há representação da concessionária. Em cidades menores não há respostas a essa questão. Há diversos fatores que encarecem a energia, como as redes de energia antigas. Só uma agência reguladora poderia fiscalizar e cobrar isso”, destacou o deputado.

Em relação às fontes alternativas de energia e a possibilidade de diversificação, Marçal argumenta que a nível de Brasil, por questões de interesse de mercado, não existe inventivo, além de ser inviável financeiramente.

Psicólogo nas escolas

“Já senti isso muito próximo. Às vezes uma pessoa aparenta estar feliz, mas deve estar com problemas”, disse o deputado Marçal Filho, que é Coordenador da Frente parlamentar em Defesa da Criança e do Adolescente.

O deputado já promoveu audiência pública, no início de maio, para abordar com mais profundidade os temas depressão, automutilação e suicídio. “É muito necessário, isso já está sendo feito, mas é preciso ampliar e implementar. A doença está aí e na escola é onde tudo deságua”.

Marçal sugere que, para evitar que aconteça situações extremas, os assistentes sociais podem ir até as casas de alunos para conversar, inclusive com os familiares.

Políticas Públicas em defesa da Mulher

Marçal Filho criou a Frente Parlamentar de Defesa da Mulher, para colocar em pauta os diversos tipos de violência contra a mulher. “Os números de Mato Grosso do Sul de mortes de mulheres são assustadores e assombrosos, e não adianta mudar a cabeça dos homens. É preciso ensinar os meninos desde pequenos a respeitar as mulheres, porque todos nós viemos de uma mulher”.

Para o deputado, com o passar do tempo as mulheres começaram a reagir, mas a violência continua, provando que é uma questão cultural e vivida por todas as classes sociais.

Durante a entrevista, o deputado contou rapidamente um fato que aconteceu quando ainda era deputado federal. Ele apresentou um projeto de lei no qual buscava equiparar o salário de homens e mulheres.

Segundo Marçal, esse texto chegou a ganhar aprovação da Câmara e do Senado, mas pouco antes da proposta receber a promulgação da então presidente da República Dilma Rousseff, o texto foi barrado por Romero Jucá, que na época era senador por Roraima. O parlamentar completa que “existe mesmo essa discriminação”.

Escândalos políticos em Dourados

Natural de Dourados (MS), Marçal Filho já foi vereador da cidade, mas foi afastado das funções após ser eleito deputado estadual. Ele comentou sobre as recentes polêmicas que envolvem os políticos do município. “Já fiz as contas, dos 19 vereadores de Dourados 8 sofreram algum problema na legislatura. São acusações de corrupção ligados à administração municipal. É muito triste”.

Ele atribui esses acontecimentos à prática da velha política, mas ressalta que os eleitores têm que mudar e saber fazer suas escolhas.

Possibilidade de futura candidatura

Evitando expressar qualquer sinalização sobre uma possível nova candidatura em sua cidade, Marçal explica que “sobre a prefeitura não discuto agora, só no ano que vem. No cargo do Executivo, penso em liberdade, sem amarras”.

No cenário nacional, o deputado ainda mencionou que os conflitos entre Jair Bolsonaro e Congresso Nacional é uma estratégica política que, para Marçal Filho, está dando certo.

Comentários