Propina pagou Dior e Chanel de mulher e filha de Cunha, aponta denúncia do MP

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e a mulher Claudia Cruz, recebem a visita do príncipe japonês Akishino, filho mais novo do imperador do Japão, e a e princesa Kiko, nesta quinta-feira (5), em Brasília (DF)
O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e a mulher Claudia Cruz, em Brasília(Pedro Ladeira/Folhapress)

 

Denúncia contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), aponta que compras de luxo da mulher e da filha do deputado no exterior “foram pagas com parte do dinheiro de propina”. Os gastos de Claudia Cruz e Danielle Dytz da Cunha Doctorovich com marcas de renome como Chanel, Dior, Balenciaga e Louis Vuitton somam cerca de 86.000 dólares, entre dezembro de 2012 e julho de 2015, e serão investigados pela força-tarefa da Operação Lava Jato, em Curitiba (PR).

Os processos de Claudia e Danielle estão sob a tutela do juiz federal Sergio Moro. O próprio Eduardo Cunha já foi denunciado por corrupção e lavagem de dinheiro perante o Supremo Tribunal Federal (STF). Como não são detentoras de foro privilegiado, a mulher e a filha do peemedebista agora estão sob investigação dos procuradores da força-tarefa da Lava Jato.

 

Em janeiro de 2014, durante estadia em Paris, Claudia Cruz gastou 17.483,84 dólares em três dias. Foram 7.707,37 dólares na loja da Chanel, 2.646,05 dólares na Christian Dior, 4.184,94 dólares na Charvet Place Vendôme e 2.945,48 dólares na Balenciaga.

“Todos estes valores foram pagos com parte do dinheiro de propina recebido por Eduardo Cunha”, diz a denúncia sobre os valores relacionado ao próprio presidente da Câmara, sua mulher e sua filha. “As despesas pagas em cartão de crédito com as quantias ilícitas recebidas podem se verificadas nos extratos dos cartões de créditos da Corner Card. Referidos extratos demonstram despesas completamente incompatíveis com os lícitos declarados do denunciado e de seus familiares.”

Segundo a Procuradoria-Geral da República, Claudia Cruz e Danielle Dytz se favoreceram de valores de uma propina superior a 5 milhões de dólares que Eduardo Cunha recebeu “por viabilizar a aquisição de um campo de petróleo em Benin, na África, pela Petrobras”.

A investigação aponta que Claudia Cruz é a única titular da conta Kopec, na Suíça – pela qual “transitou dinheiro ilícito”. Desta mesma conta aparece como beneficiária do cartão de crédito, segundo a Procuradoria, Danielle Dytz. A denúncia sustenta que o rastreamento do cartão de crédito mostra gastos sequenciais de grandes valores em restaurantes, hospedagens e viagens ao exterior.

Os processos contra Claudia Cruz e Danielle Dytz foram enviados a Sergio Moro no último dia 15, pelo ministro do STF Teori Zavascki. A determinação atendeu a uma manifestação do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, sob a justificativa de que elas não têm foro privilegiado para serem investigadas pelo Supremo.

Janot, ofereceu denúncia contra Cunha em 4 de março pelo recebimento de propina na Suíça, em valor superior a 5 milhões de dólares, por viabilizar a aquisição de um campo de petróleo em Benin, na África, pela Petrobras. Segundo a acusação, o dinheiro é fruto de corrupção e houve lavagem de dinheiro. A denúncia sustenta que Cunha atuou para garantir a manutenção do esquema ilícito na Diretoria Internacional da Petrobras e para facilitar e não colocar obstáculos na aquisição do Bloco de Benin.

O bloco foi adquirido da Compagnie Béninoise des Hydrocarbures Sarl (CBH), por 34,5 milhões de dólares (138.345 milhões de reais). A acusação aponta que Cunha era um dos responsáveis do PMDB pela indicação e manutenção do então diretor da Área Internacional no cargo, Jorge Zelada, e por isso recebia um porcentual dos negócios.

O processo foi transferido do Ministério Público Suíço para a Procuradoria-Geral da República do Brasil considerando que o deputado é brasileiro, está no país e não poderia ser extraditado para a Suíça. Além disso, como a maioria das infrações foi praticadas no Brasil, a persecução penal será mais eficiente no território nacional. Para a Procuradoria-Geral, a documentação enviada pela Suíça permite compreender todo o esquema.

“A parte da investigação referente a Claudia Cruz foi remetida ao primeiro grau e está sob sigilo, razão pela qual não podemos tratar do mérito. Porém, esclarecemos que Claudia Cruz nada tem a ocultar, já apresentou as declarações de seus bens e está à disposição da Justiça para esclarecer tudo o que for necessário, já que não praticou delito algum”, disse a defesa da esposa de Cunha.

Os advogados que defendem Danielle Dytz não retornaram contato feito pela reportagem. Em 8 de março, em petição ao Supremo Tribunal Federal, a defesa de Danielle sustentou que a filha de Eduardo Cunha “é apenas indicada como beneficiária da conta Kopek, cuja titularidade é atribuída a sua madrasta, e que teria sido, segundo a acusação, alimentada com valores transferidos a partir de outras contas controladas por seu pai”.

via Veja e Estadão Conteúdo

Comentários

comentários