Professora “enganada em ato pró-Dilma” amplia acusações a Fetems

Foto Reprodução Facebook.
Foto Reprodução Facebook.

A professora Neuza Lima Rodrigues, conforme publicamos em matéria de sexta-feira (1º), reafirmou ao Página Brazil, e ampliou denúncias quanto a seu envolvimento e aparição em vídeo na internet, com outras três colegas dizendo terem sido enganadas pela Fetems (Federação dos Trabalhadores da Educação de MS), ao serem levadas na última quinta-feira (31) a Brasília, para manifestação em defesa da Democracia em ato ‘pró-presidente Dilma Rousseff’. A profissional apontou que até o seu próprio Sinted (Sindicato dos Trabalhadores da Educação) de Naviraí e outros não sabiam de toda a manifestação direcionada ao campo político-partidário. A Federação, como já publicamos contesta todo problema, que diz que ocorreu somente com as quatro de um total de 650 pessoas que foram.

Neuza aponta que está sendo feito um levantamento de quantos passaram pelo problema, e que mesmo antes da repercussão do vídeo, na volta a Capital, as pessoas estavam revoltadas e o sindicato fez pedido de desculpas às filiadas. A professora que enviou a reportagem o documento onde continha a pauta descrita por elas, e contestada pela Fetems, dos temas ou objetivos a serem tratados na ação no Distrito Federal, afirma ainda que até já receberam ameaças por parte de pessoas de ‘Campo Grande’, devido ao vídeo gravado.

“Voltamos no ônibus e estavam praticamente todos revoltados. O presidente do Sinted de Mundo Novo e o nosso até pediram desculpa, porque segundo a palavra deles, também não sabiam, que seria o ato em prol da Dilma. Agora, depois de nosso vídeo, estão fazendo levantamento das cidades que também foram enganadas e são muitas. Já chegaram a ligar aqui ameaçado a tirar a gente do sindicato. O que não existe Lei para isso. Vimos que a imprensa diz que Fetems discutiu e aprovou a participação no ato em conselho de presidentes. Mas o que se tinha na pauta era a questão da Previdência. E tem na pauta com a assinatura do presidente da Fetems.Eles estão mentindo ou enganando vocês agora”, disse Neuza.

A professora ainda lembrou que basta qualquer um ‘olhar no Facebook do Sinted de Navirai, que se verá as provas das mentiras deles’, bem como mencionou outras irregularidades e que um deputado –federal Marcos Feliciano – irá investigar a Fetems. “A diretoria colocou no site a pauta com a assinatura do presidente da Fetems e depois do ocorrido, agora, se retratando. Mas tem mais coisa suja, o uso do dinheiro das contribuições para política. Agora, a Fetems sabe que vai ser investigada, você não viu o deputado já dizendo? Eles vão tentar desqualificar tudo né, será os chefões lá em cima, contra professorinhas do interior.

Histórico

O ato na quinta-feira (31) levou do Estado, mais de mil pessoas, sendo 650 pessoas capitaneadas pela Fetems, onde estavam as quatro professoras. Mas, elas, ao chegarem ao ato ‘pró-Dilma’, não participaram da ação e afirmam que haviam ido para um movimento sobre o setor da Educação e não ao ato político pró-governo federal.

Comentários

comentários