Produtores tentam ‘na marra’ desocupar fazenda invadida por índios

Após reunião com políticos na manhã deste sábado (29), fazendeiros insatisfeitos foram até as propriedades ocupadas com objetivo de tirar os índios ‘à força’, em Antônio João, segundo a Polícia Militar (PM) do município. A corporação informou que há risco eminente de confronto armado a qualquer momento.

Fazendeiros e políticos se reuniram para debater conflito em Antônio João (Foto: Leo Veras/ Arquivo Pessoal)
Fazendeiros e políticos se reuniram para debater conflito em Antônio João (Foto: Leo Veras/ Arquivo Pessoal)

Os fazendeiros estão nas propriedades, próximos das sedes onde estão os indígenas. A PM informou que já houve denúncias de disparos de arma de fogo na região. Equipes da Força Nacional e do Departamento de Operações da Fronteira (DOF) já foram encaminhadas para evitar confrontos na zona de conflito.

A reunião que debateria a demarcação de terras ocorreria por volta das 11h e reunia cerca de 200 pessoas no Sindicato Rural de Antônio João. Além de fazendeiros, participaram o senador Walmemir Moca (PMDB), o deputado federal Luis Henrique Mandetta (DEM) e a deputada Mara Caseiro (PT do B).

Revoltada com a onda de invasões, a presidente do Sindicato Rural do município, Roseli Maria Ruiz, abriu e encerrou rapidamente uma reunião

Antes mesmo das falas dos deputados federais e do senador, ela se dirigiu a uma de suas propriedades rurais da região do distrito de Campestre.

O principal alvo da produtora foi o Cimi (Conselho Indigenista Missionário) a qual acusa de orquestrar todas as ações. “Eu não acredito em mais nada, nem na Justiça e nem no Cimi. Estou indo agora para as minhas propriedades para retomá-las”, relatou.

Uma das fazendas de Roseli é a Fronteira, onde segundo a mesma, durante invasão de indígenas em 1998 seu marido acabou espancado.

O clima na região é tenso desde que houve as primeiras invasões, no início do mês. Pelo menos oito propriedades foram invadidas na região que faz fronteira com o Paraguai.

Durante a semana, fazendeiros e parte da população bloquearam o acesso a Antônio João.

Policiais do DOF (Departamento de Operações de Fronteira) entraram em uma das fazendas no intuito de liberar algumas vias para que trabalhadores realizassem serviços nos locais.

Comentários

comentários