Caso Adriano: PRF acusado de matar empresário vai a júri popular

Lúcio Borges

O juiz titular da 1ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande decidiu que o policial rodoviário federal Ricardo Hyun Su Moon, 47 anos, que matou o empresário Adriano Correia do Nascimento em dezembro do ano passado, vai a júri popular por homicídio. A data ainda não foi definida.

Na decisão, o juiz manteve as medidas cautelares alternativas à prisão, permanecendo o acusado suspenso do direito de portar arma de fogo; recolhimento domiciliar no período noturno, proibição de ausentar-se do país, exercício de suas atividades profissionais em função interna e fixação de fiança, tudo conforme decisão do dia 31 de janeiro deste ano, com exceção da monitoração eletrônica, visto que a tornozeleira tem prazo máximo de sua utilização de 180 dias, prazo este já ultrapassado.

O crime

Segundo a denúncia, no dia 31 de dezembro de 2016, por volta das 5h40, na avenida Ernesto Geisel, esquina com a rua 26 de Agosto, uma briga de trânsito motivou a morte do empresário. O policial ainda atirou contra outros dois ocupantes do veículo, que era conduzido pela vítima. O acusado se deslocava para o trabalho no município de Corumbá, conduzindo o veículo até a rodoviária, onde pegaria um ônibus intermunicipal.

A discussão teria começado depois de Adriano ter feito um conversão à direita, e sem perceber a proximidade do veículo do acusado quase provocou um acidente de trânsito. Ricardo Su Moon abordou as vítimas, descendo do veículo já na posse de sua arma de fogo, dizendo que era policial e chamou reforço.

Comentários