PRF acusado de matar Adriano ganha direito de liberdade provisória

Reconstituição do crime que levou a morte do empresário Adriano Correia do Nascimento aconteceu no último dia 11. (Foto: Lúcio Borges)

O juiz Carlos Alberto Garcete concedeu na manhã desta terça-feira(31), liberdade provisória ao policial rodoviário federal Ricardo Hyun Su Moon, 47 anos, acusado pela morte do empresário Adriano Correia do Nascimento, de 33 anos, na madrugada de 31 de dezembro de 2016.

Entretanto Moon deverá usar tornozeleira eletrônica por pelo menos seis meses além de deixar o veículo em que estava quando cometeu o crime como fiança.

A decisão permite também que o policial volte ao serviço na PRF (Polícia Rodoviária Federal), mas continuará afastado das ruas.

Outras regras são de que o réu ficará proibido de sair de casa no período de 22 horas até às 6 horas todos os dias, terá o direito de portar arma suspendido e não poderá sair do país.

O caso

Na manhã do dia 31 de dezembro o agente da PRF-MS (Polícia Rodoviária Federal em MS) matou o empresário após uma briga de trânsito, na Avenida Ernesto Geisel com a rua 26 de Agosto.

O policial conduzia uma Mitsubishi Pajero e efetuou disparos contra uma Hilux. O condutor da caminhonete, Adriano Correia do Nascimento (33), foi atingido, perdeu o controle da direção e o veículo atingiu um poste de iluminação pública.

O policial rodoviário federal, segundo testemunhas, desceu do carro e alegou defesa, apesar de estar em posição favorável e de efetuar certa de 10 tiros no veiculo, que tinha ainda outros dois ocupantes.

 

Comentários