Pressionado e ameaçado a ser preso, Lula agora começa enumerar imóveis

Acusado de ocultar a propriedade de dois imóveis, o apartamento triplex em Guarujá (SP) e o sítio em Atibaia (SP), o ex-presidente Lula divulgou nota em que diz ter entrado e saído da Presidência com o mesmo patrimônio imobiliário. O comunicado do Instituto Lula reúne o que, segundo a defesa, Lula “tem” e “o que inventam que ele teria”.

Ex-presidente Lula (Foto: Divulgação )
Ex-presidente Lula (Foto: Divulgação )

O texto reproduz trechos das declarações de bens do petista, de 2002 e 2015, e fotos das propriedades informadas por ele à Receita Federal.  “Lula não tem apartamento de luxo, mansão na praia, fazenda de gado ou endereço no exterior”, afirma o instituto, que também publica documentos na tentativa de mostrar que o sítio pertence a Fernando Bittar e Jonas Suassuna e que o apartamento na praia é de propriedade da empreiteira OAS.

De acordo com o Instituto Lula, o ex-presidente é dono do apartamento onde já morava com a família antes de ser eleito presidente, em 2002, em São Bernardo do Campo (SP), de outros dois apartamentos de 72 metros quadrados na avenida Getúlio Vargas, na mesma cidade, e do rancho Los Fubangos, na região da represa Billings.

Na nota, a defesa de Lula contesta as acusações feitas pelo Ministério Público de São Paulo e pela força-tarefa da Operação Lava Jato de que ele é o dono do triplex e do sítio Santa Bárbara. “A partir desses dois erros factuais, querem acusar Lula de ter sido subornado por empreiteiras da Lava Jato, o que é totalmente falso”, diz o comunicado.

Segundo o instituto, o ex-presidente jamais ocultou seu patrimônio nem recebeu vantagens em troca de interferência em qualquer governo. “Lula jamais recebeu favores em troca de atos do governo. Isso só existe na mente dos adversários de Lula, de promotores que fazem denúncias irresponsáveis e de agentes do estado que perseguem Lula de forma ilegal, abusiva e arbitrária”, afirma a nota. “Lula tem um patrimônio que nenhuma outra liderança pode igualar: a gratidão e a confiança do povo brasileiro”, acrescenta o texto.

O ex-presidente é alvo de um pedido de prisão preventiva que está nas mãos do juiz federal Sérgio Moro. Nomeado ministro da Casa Civil na semana passada, o ex-presidente enfrenta batalha na Justiça depois que teve sua posse suspensa por decisões judiciais. A AGU (Advocacia-Geral da União) recorre para mantê-lo no cargo, o que lhe garante, de quebra, a prerrogativa de ser investigado e julgado apenas no STF (Supremo Tribunal Federal), o chamado foro privilegiado. Com informações do site Congresso em Foco.

Comentários

comentários