Presos passam a trabalhar na Prefeitura de Coxim

A Vara de Execução Penal (VEP) do Interior, começou os trabalhos pela Comarca de Coxim com os presos do regime semiaberto. Os detentos passaram a trabalhar para a Prefeitura local, aumentando a economia dos cofres públicos.

(Foto: Divulgação/TJMS)
(Foto: Divulgação/TJMS)

O juiz Albino Coimbra Neto, assume a VEP neste primeiro momento. O Tribunal de Justiça quer levar para as cidades do interior, o trabalho de ressocialização de detentos, que é muito realizado na Capital.

Inicialmente, a Vara operacionalizou um convênio com a Prefeitura de Coxim, que prevê a contratação de 10 presos. A Prefeitura já tem intenção de ampliar, afirma o magistrado, até porque há a necessidade de manutenção de praças públicas e diversos espaços que podem ser beneficiados com a grande economia que o uso da mão de obra prisional gera, tudo isso partindo de uma realidade já existente em Campo Grande “Como, por exemplo, o Parque das Nações Indígenas que é mantido por presos há mais de 10 anos onde o Estado economiza, por ano, algo em torno de R$ 1 milhão”.

Além da economia para o poder público, o juiz destaca que a essência do semiaberto na Capital é encaminhar presos ao mercado de trabalho não por carta de emprego e sim por convênios, o que garante maior fiscalização de que o detento esteja realmente cumprindo sua pena. Uma filosofia de cumprimento de pena que, aliás, “tem a ver muito com a credibilidade do próprio sistema semiaberto e o efetivo cumprimento da pena do condenado”, acrescenta o magistrado.

Fonte: Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul

Comentários

comentários